Ceará cria delegacia especializada no combate à corrupção para garantir verba do Fundo de Segurança Pública. Pernambuco não tem e perderá recursos


O Diário Oficial do Estado do Ceará desta terça-feira, 3, trouxe a publicação de um decreto do governador Camilo Santana (PT) criando a Delegacia de Combate à Corrupção do Cea. Segundo o texto, o novo órgão surge da "necessidade de estender a política de combate à criminalidade e ao desvio de recursos públicos o que impõe a estruturação de uma delegacia especializada".
Um dos critérios para que Estados recebam recursos ministério de Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), é a existência de uma delegacia especializada no combate à corrupção. 
O rateio de recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública foi condicionado por Sergio Moro à criação de unidades policiais dedicadas exclusivamente ao combate da corrupção.
Na prática, o decreto "rebatiza" a Delegacia de Combate aos Crimes Contra a Administração e Finanças Públicas. O órgão já existia na estrutura da Polícia Civil do Estado e tinha atribuições parecidas.
Por ter decidido pela extinção da delegacia especializada, que era a Decasp, substituindo-a por um departamento que abrange todos os tipos de crime organizado, o DRACO,  Paulo Câmara (PSB), vai provar Pernambuco recursos desse Fundo. Para recebê-lo terá que criar uma especializada, a exenplo do Ceará.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Corruptocracia Pernambucana: Prefeito com tornozeleira é recebido com festa ao retornar ao cargo depois de desviar quase cem milhões da Previdência. Veja o vídeo

Contrato da iluminação pública de Olinda leva à condenação da vice-governadora de Pernambuco e ex-prefeita do município por improbidade administrativa com suspensão dos direitos políticos por seis anos

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

DRACO pede e TJPE autoriza prisão do filho do operador pivô do afastamento do prefeito de São Lourenço da Mata e da prisão do prefeito de Camaragibe

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"