Dono de Universidade é preso pela PF por fraudes de 500 milhões de reais no FIES e no PROUNI


Policiais realizam buscas na casa de um dos investigados da Operação Vagatomia. Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 3, a Operação Vagatomia, que investiga um esquema de fraudes na concessão do Financiamento Estudantil do Governo Federal e na venda de vagas e transferências de alunos do exterior para o curso de medicina.

Os alvos foram o dono da Universodade Brasil, de Florianópolis, o filho do dono, diretores e funcionários da instituição de ensino.

Ainda são investihadas fraudes em bolsas se estudo  do Programa Univers8dade Para Todos (Prouni) e no Revamida.

Dados preliminares apontam que em apenas 5 anos, a universidade tenha concedido aproximadamente R$ 500 milhões do Fies e do ProUni foram concedidos fraudulentamente por intermédio dessa instituição de ensino.

Cerca de 250 policiais federais cumpriram 77 mandados judiciais nesta manhã – 11 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 45 de busca e apreensão e 10 referentes à medidas cautelares, alternativas à prisão.

As ordens foram expedidas pela Justiça Federal de Jales e cumpridas nas cidades de Fernandópolis, São Paulo, São José do Rio Preto, Santos, Presidente Prudente, São Bernardo do Campo, Porto Feliz, Meridiano, Murutinga do Sul e São João das Duas Pontes, em São Paulo  e no município de Água Boa, no Mato Grosso.

As fraudes foram detectadas fraudes foram detectadas nas cidades  de São Paulo, São José do Rio Preto e Fernandópolis. Integrantes das ‘assessorias’, que vendiam vagas no curso de medicina, financiamentos FIES e bolsas do Prouni também estão entre os alvos da operação.

O bloqueio de bens dos investigados fira em torno de 250 milhões de reais.



Dinheiro apreendido na casa de um dos investigados da Operação Vagatomia. Foto: Polícia Federal

As investigações duraram cerca de oito meses e identificaram que o líder do esquema era o próprio dono da universidade, que também ocupa o cargo de reitor. O empresário, engenheiro de 63 anos, e seu filho, que também é sócio do grupo educacional, sabiam do esquema e participavam dos crimes em investigação, segundo a PF.

Segundo a Polícia Federal, ‘assessorias educacionais’, com o apoio dos donos e da estrutura administrativa da universidade, negociaram centenas de vagas para alunos.


Entre os estudantes que compraram suas vagas e financiamentos estão filhos de fazendeiros, servidores públicos, políticos, empresários e amigos dos donos da universidade – ‘todos com alto poder aquisitivo, que mesmo sem perfil de beneficiário do FIES, mediante fraude, tiveram acesso aos recursos do Governo.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Milionários pernambucanos aparecem na "caixa preta" do BNDES anunciada por Bolsonaro. Saiba quem são.

Lava Jato chega a Pernambuco: "Amplo esquema criminoso leva Lava Jato a bloquear mais de R$ 3,5 bilhões do PSB, de FBC, do Espólio de Eduardo Campos, Do MDB e de Eduardo da Fonte além de vários empresários

Cunhado de Paulo Câmara ganha cargo comissionado na Presidência do TRT6. Funcionários veem favorecimento

Veja: Bolsonaro indica para o CADE advogada acusada de vender decisões do STJ para a JBS. A advogada é filha de uma desembargadora federal bolsonarista

Conselheiro do TCE/RJ, ligado ao MDB, é o mandante do assassinato de Marielle, revela inquérito da Policia Federal. O motivo seria vingança contra Freixo por perda do foro privilegiado