FBC poderia utilizar a Prefeitura de Petrolina para quitação da dívida, disse operador do prefeito a agiotas, em gravações entregues à PF



Em um dos trechos da decisão do ministro José Roberto Barroso, proferida na no dia 09 de setembro, mas somente conhecida hoje, quando da deflagração da Operação Desintegração, que autorizou buscas e apreensões em endereços do líder do governo Bolsonaro e ex-ministro de Dilma Rousseff, Fernando Bezerra Coelho, o ministro destaca que numa conversa entre o operador de FBC, Iran Padilha e o agiota e delator João Carlos Lyra, conversa inclusive gravada por este, "Iran Padilha Modesto indica que FERNANDO BEZERRA DE SOUZA COELHO poderia utilizar a Prefeitura de Petrolina para quitação da dívida, uma vez que seu Miguel de Souza Leão Coelho se tornara prefeito daquele Município em 2016." A conversa, gravada pelo delator, teria ocorrido em fevereiro de 2017. 

Ainda segundo relatado na decisão do Ministro Barroso, FBC estaria encontrando dificuldades para realizar os pagamentos da dívida com os agiotas por meio das empreiteiras que lhe deveriam propinas em razão de obras da sua gestão no Ministério


MAIS VISITADAS DO MÊS

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Radar: João Campos recebe mais de R$ 5,2 milhões do Fundo Eleitoral do PSB e é recordista nacional de doações

TRF5 nega liminar no HC para soltar empresário Paulo Magnus, preso pela PF na Operação Desumano: "rege a orquestra da organização criminosa"