FBC poderia utilizar a Prefeitura de Petrolina para quitação da dívida, disse operador do prefeito a agiotas, em gravações entregues à PF



Em um dos trechos da decisão do ministro José Roberto Barroso, proferida na no dia 09 de setembro, mas somente conhecida hoje, quando da deflagração da Operação Desintegração, que autorizou buscas e apreensões em endereços do líder do governo Bolsonaro e ex-ministro de Dilma Rousseff, Fernando Bezerra Coelho, o ministro destaca que numa conversa entre o operador de FBC, Iran Padilha e o agiota e delator João Carlos Lyra, conversa inclusive gravada por este, "Iran Padilha Modesto indica que FERNANDO BEZERRA DE SOUZA COELHO poderia utilizar a Prefeitura de Petrolina para quitação da dívida, uma vez que seu Miguel de Souza Leão Coelho se tornara prefeito daquele Município em 2016." A conversa, gravada pelo delator, teria ocorrido em fevereiro de 2017. 

Ainda segundo relatado na decisão do Ministro Barroso, FBC estaria encontrando dificuldades para realizar os pagamentos da dívida com os agiotas por meio das empreiteiras que lhe deveriam propinas em razão de obras da sua gestão no Ministério


MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal