"Juntas" denunciam, em nota, racismo, classismo e transfobia de deputado bolsonarista contra integrante da "mandata" coletiva


A "Mandata" coletiva Juntas, do Psol, divulgou, há pouco, nota em que denuncia atitude do deputado bolsonarista Alberto Feitosa, do Solidariedade,  que denota intolerância e transfobia contra a codeputada Robeyoncé Lima, a primeira advogada trans de Pernambuco, servidora federal concursada e cedida à Alepe em 4 maio deste ano.

De acordo com a nota, o deputado constrangeu a co-deputada, cuja chapa coletiva obteve quase 40 mil votos, a deixar o Plenarinho nº2 da Assembleia no final da manhã de ontem, sob a justificativa de que ela não era deputada eleita. "A atitude foi constrangedora e desmedida, com fortes doses de racismo, classismo e transfobia", diz a nota.
NOTA:MANDATA LEGITIMADA NAS URNAS

setembro 25, 2019

Nós, as cinco mulheres diversas eleitas com 39.175 votos para exercer um projeto inédito de gestão legislativa coletiva e compartilhada, denunciamos hoje na tribuna um caso de violência simbólica. A codeputada Robeyoncé Lima, a primeira advogada trans de Pernambuco, servidora federal concursada e cedida à Alepe em 4 maio deste ano, foi instada a deixar o Plenarinho nº2 da Assembleia no final da manhã de ontem pelo deputado Alberto Feitosa, sob a justificativa de que ela não era deputada eleita. Não se tratava de uma reunião ordinária da Comissão de Constituição, Legislação e Justiça e sim um encontro informal com alguns parlamentares. A atitude foi constrangedora e desmedida, com fortes doses de racismo, classismo e transfobia.

Entendemos a dificuldade de alguns parlamentares em acompanhar os avanços sociais positivos e transformadores de realidades, como é o caso da inédita e festejada eleição da primeira mandata coletiva, feminista e antirracista da história da Alepe. Entendemos a dificuldade de alguns parlamentes em visualizar que projetos vindos do coração da sociedade, nascidos das lutas históricas contra as desigualdades e dispostos a fazer uma política antisistêmica só enaltecem a Alepe e dão sentido concreto ao slogan de “a casa de todos os pernambucanos”, que ornamenta a marca da Casa, diversos discursos e os crachás de servidoras e servidores.

Quanto mais inovador é o projeto político, quanto mais possibilidades reais de ampliar a representatividade e a participação das pessoas na vida política, mais reação haverá. Especialmente quando o símbolo da mudança também está em nossos corpos, na nossa atuação competente e aguerrida. A grandeza da ruptura que representamos pode ser medida pela incômodo que causamos a quem deseja que o mundo e a política permaneçam como sempre foram, para seletos. E foi exatamente sobre incômodo que o deputado Feitosa falou quando subiu à tribuna para rebater nossa denúncia.

Sentimos sim toda essa violência explícita e velada que tenta nos expulsar da Casa do Povo. Ela é cotidiana, tal qual a nossa luta. Aqui, porém, estamos legitimadas pela vontade popular e é importante reafirmar que o tamanho da cadeira do deputado Feitosa é do mesmo tamanho da nossa, só que a nossa é compartilhada entre cinco mulheres, apoiadas por uma talentosa equipe, por diversos movimento sociais e também por parlamentares, que respeitam a mandata e compreendem nossa coletividade.

Sabemos que estamos à frente do nosso tempo, da legislação e do regimento interno da Casa. Somos visionárias. Vamos seguir Juntas construindo um Estado melhor para as nossas sujeitas prioritárias, como fizemos desde que chegamos aqui. Mas não aceitaremos desrespeito, muito menos atos de racismo, lgbtfobia ou qualquer outro tipo de violência ou discriminação.

JUNTAS CODEPUTADAS ESTADUAIS
Carol Vergolino, Kátia Cunha, Joelma Carla, Robeyoncé Lima e Jô Cavalcanti

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal