Ódio de Bolsonaro pela PF, a quem chamou de "babaca" decorre de investigação contra amigo deputado escolhido pra disputar a Prefeitura do Rio de Janeiro



A Coluna Radar da Veja acaba de revelar que a vociferação de Bolsonaro contra a Polícia Federal, a ponto de chamar os policiais federais de "babacas", seria reação a uma investigação da Polícia Federal do Rio de Janeiro contra Hélio Negão, o deputado amigo de Jair Bolsonaro, a quem ele já escolheu para ser seu candidato à sucessão de Marcelo Crivela.

Bolsonaro exigiu a cabeça do superintendente da PF no RJ, Ricardo Saad, mas Valeixo não concordou e acabou virando também alvo do presidente que acusou estagnação na PF e necessidade de arejar a instituição. Por arejar entenda-se a colocação de delegados alinhados politicamente com Bolsonaro e que estejam dispostos a fazer o que Bolsonaro mandar  nem que isso implique em prevaricação. 

Mas é bom ficar atento quem achar que vai acobertar e viver feliz para sempre. É que impunidade é coisa que dura o tempo que o malfeitor ficar no poder. Exemplo disso é a denúncia promovida pelo Gaeco do Ministério Público da Paraíba, contra o irmão do ex-prefeito de João Pessoa e ex-Governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, juntamente com ex-secretários de Estado, delegados e até um ex-procurador Geral do Estado e um ex-o secretário de Defesa Social da Paraíba, que deram sumiço em provas da apreensão e pagamento de propina, por um advogado de Pernambuco, para algumas dessas autoridades. Tão logo viraram "ex", veio a rebordosa. Como não existe poder eterno no plano terreno, a rebordosa pode até demorar, mas un dia chega.

Mas voltando a Bolsonaro, diz o colunista da Radar que há 12 dias, o presidente teria sido visto esbravejando no portão do Palácio da Alvorada referindo-se a uma bomba que estaria “para estourar” em “uma pessoa importante que está do meu lado”. A pessoa alvo do que Bolsonaro chamou de fake news seria justamente o deputado Helio Negão e por supostos delitos cometidos há 15 anos. Helio Negão teria se queixado ao amigo presidente que assim resolveu enquadrar a Policia Federal.

Na PF, afirma o colunista, fala-se que uma ala da polícia mirou em Negão justamente para queimar Saadi no Planalto. O tiro, no entanto, atingiu o diretor Maurício Valeixo.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Única nota 1000 do ENEM de Pernambuco faz homenagem a seu professor de Português

Exclusivo: Sai João e entra Tadeu na sucessão no Recife

À Época, Antônio Campos afirma ter denunciado, às autoridades, esquema maior do que o da Paraíba, operando em Pernambuco pelas mãos de Renata Campos e do PSB

Coincidência: donos do terreno desapropriado por R$ 38 milhões por Geraldo Julio são parentes de outro prefeito do PSB

Ataques de Secretário de Geraldo Julio contra Patrícia Domingos em debate são confissão de pânico de uma possivel candidatura da policial à Prefeitura do Recife