PF faz operação em endereço de Janot após declaração sobre matar Gilmar

Há 30 anos, os hoje inimigos figadais tomavam uns bons vinhos juntos em Colônia, na Alemanha (Foto: Agência Globo)

Um dia depois de virem à público declarações de que foi armado ao STF para matar Gilmar Mendes e depois se suicidar, o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou uma ação de busca e apreensão pela Polícia Federal em endereços ligados a Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República, em Brasília.

Em resposta, Gilmar aconselhou Janot a procurar tratamento psiquiátrico. Mendes pediu a Alexandre que determinasse a suspensão do porte de arma de Janot. A arma mencionada pelo ex-PGR foi encontrafa e apreendida pela PF, durante a operação determinada por Alexandre de Noraes.

Na decisão, além das buscas e apreensões, Alexandre de Moraes determinou a oitica de Janot e ainda determinou a suspensão dos portes de arma do ex-PGR e que este não se apeoxime a menos de 200 metros de qualquer ministro do STF e a proibição de que Janot entre no Tribunal.

Editado às 18:45 hs.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

É tetra! Prefeitura do Recife recebe a quarta "visita" da Polícia por fraudes na pandemia, desta vez foi a DECOT. A prefeitura nega envolvimento