Políticos e empresários pernambucanos receberam milhões em propinas, segundo delatores, por empreendimentos ligados a Abreu e Lima, mas, apesar de delatados, levam vida de cidadâos de bem. Quem os protege?

Fernando Bezerra Coelho e Aldo Guedes, em evento social

Matéria do Diário de Pernambuco de hoje conta que o Governo do Estado quer ser ressarcido dos recursos da ordem de R$ 698,6 milhões, que teriam sido investidos por Pernambuco, para viabilizar o projeto da refinaria Abreu e Lima, a RNEST, na área do Complexo Industrial de Suape. 

O Diário conta que recebeu informações do governo de que o primeiro passo para consolidar o empreendimento teria sido a doação de um terreno, de aproximadamente 630 hectares. O acordo nesse sentido foi firmado em 10 de novembro de 2005, entre o governo do estado, o Complexo de Suape e a Petrobras. A partir daí, diz o Diário,foram executadas as obras de infraestrutura, a exemplo de dragagem, construção do píer petroleiro, além de prolongamento e reforço do molhe.

Também teriam sido investidos recursos na duplicação da rodovia PE-60, duplicação do novo acesso à Zona Industrial Portuária (ZIP), na variante de acesso a Suape (Express Way), na duplicação da estrada TDR-Norte e implantação do contorno do Cabo de Santo Agostinho. Foram reforçados, ainda, os cabeços Norte e Sul, obras civis de proteção da abertura dos arrecifes para acesso ao porto interno de Suape.

Do total de investimentos nos projetos estruturais da refinaria, parte (R$ 460,8 milhões) foi por meio Termo de Adiantamento de Tarifa (TAT), adiantamento de tarifas feito pela Petrobras com ressarcimento e os R$ 237,8 milhões, provenientes do estado/Suape.


A desfaçatez do governo impressiona, já que no comando do Estado se encontram as mesmas pessoas, à exceção do ex-governador de Pernambuco, já falecido, Eduardo Campos, que foram delatadas por cobrarem ou se beneficiarem da cobrança de até 4%, a título de propina, sobre o valor contratado às empreiteiras do chamado Clube das Empreiteiras, liderado pela Odebrecht. A cobrança de até 4% de propina sobre todos os empreendimentos que tivessem o dedo podre do ultracorrupto governo de Pernambuco em SUAPE, não é novidade nenhuma. Foi objeto de delações dos executivos da OAS, da Camargo Correia e da Odebrecht, divulgadas aqui mesmo neste Blog. Ora, se o próprio Estado alega ter investido quase 700 milhões de reais em algumas obras e benefícios fiscais. Num cálculo aligeirado, só aí teriam sido em torno de 30 milhões em propinas. Mas o propinoduto  do PSB pernambucano em Suape não pára por aí. Até para calar a boca de sindicalistas, segundo delatores, Aldo Guedes teria cobrado propina das Empreiteiras, em nome do governo de Pernambuco e até sobre obras que em nada dependiam do goverbo, mas pelo simples fato de estarem em Pernambuci. Relembrem:





A recente operação da Polícia Federal contra o senador Fernando Bezerra Coelho, também delatado por "rachar" as propinas pagas pelas empreiteiras em Suape, com Eduardo Campos, que tinha como operador dps subornos o empresário multidelatado e jamais preso, apesar de nunca ter ocupado cargo com foro privilegiado, Aldo Guedes, reacendeu um grande questionamento que causa torpor na parcela gigantesca do povo Pernambucano que não fez parte destes assaltos aos cofres públicos: por que tanta impunidade para essa turma do PSB de Pernambuco, a ponto de uma figura como o sr. Aldo Guedes, até onde se saiba, apesar de mais delatado até que Fernando Bezerra, jamais chegou a ser preso ou, pelo menos, denunciado pelos crimes que lhe são imputados por delatores. Será que estão faltando provas, por que convicção de que há algo de muito podre no reino das oligarquias pernambucanas não falta.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal