Em nota, Ascire repudia decisão do Controlador Geral do Município do Recife de cortar o ponto de servidores por partlciparem de debate na Câmara do Recife



Nota de Repúdio à decisão do Controlador-Geral do Município do Recife 

A ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DE CONTROLE INTERNO DO RECIFE - ASCIRE, entidade representativa dos servidores efetivos da carreira de controle interno municipal vem, por meio da presente nota, elaborada e aprovada em Assembleia Geral da Categoria, manifestar repúdio à decisão do Controlador-Geral do Município do Recife de solicitar o corte do ponto dos servidores da Controladoria que participaram da discussão, na Câmara dos Vereadores, de Projeto de Lei de interesse público, de suma importância para o controle interno municipal, ao interpretar, erroneamente, que aqueles estavam agindo para atender a um interesse particular da classe, o que não é verdade, tratando-se, na realidade, do legítimo exercício de direito constitucionalmente assegurado. 

Com efeito, o referido Projeto de Lei nº 012/2019 tratava, dentre outras matérias, de mudança relativa à nomenclatura do antigo cargo de Analista de Controle Interno, proposta encaminhada sem qualquer participação nem diálogo com a categoria de servidores efetivos atingida pela alteração. A referida nomenclatura imposta fere as recomendações e doutrinas internacionalmente consagradas relativas ao papel e finalidades do controle interno enquanto órgão central, furtando-se, o Controlador-Geral, do seu importante papel de liderança na condução desse processo. 

Cabe explicitar que a matéria ora referida foi amplamente rejeitada pela categoria dos servidores representados pela ASCIRE, por ser, a nomenclatura imposta, incompatível com o exercício das funções típicas do Controle Interno governamental, colocando em risco a própria efetividade e imparcialidade do Sistema de Controle Interno municipal. Essa posição foi manifestada pela diretoria da ASCIRE em diversas reuniões com o Controlador-Geral e com o Secretário de Administração e Gestão de Pessoas, bem como através do Ofício nº 007/2019, encaminhado formalmente às referidas autoridades. Entretanto, a posição técnica da categoria quanto à nomenclatura adequada nunca foi considerada. 

Destacou-se, no ofício, que as competências do órgão central de controle interno voltam-se para as prerrogativas de acompanhar, orientar e fiscalizar o exercício da gestão pública governamental, com vistas à proteção do patrimônio público e à constante busca da eficiência para o alcance dos resultados públicos esperados, enfatizando que o controle é sempre “da” gestão e “para” a gestão, em prestígio aos interesses do ente público municipal. 

A nomenclatura imposta no Projeto de Lei referido deu-se justamente no momento em que a ASCIRE protocolou junto à Gestão requerimento para mudança do nome do cargo para Auditor de Controle Interno, em virtude da necessidade de convergência aos padrões nacionais e internacionais, enfatizando-se, na ocasião, que as carreiras de mais de 70% dos órgãos de controle do país já estavam assim identificadas, o que recomendaria a inserção na nomenclatura de expressa referência à atividade de auditoria interna governamental. Essa mudança de denominação, inclusive, já foi acertadamente realizada pela Controladoria Geral da União - CGU e por diversas outras Controladorias do país, conforme levantamento realizado pela ASCIRE e entregue ao Controlador-Geral do Município do Recife. 

Vale ressaltar que o controle interno é responsável, dentre outras atribuições, pela prevenção e combate à corrupção e pelo incremento da transparência na Gestão Pública. Neste sentido, a referida postura provoca confusão quanto ao real papel do controle interno, o que acaba por contrariar os anseios da população por uma administração pública verdadeiramente comprometida com o interesse público, adversando, ainda, contra as recomendações dos organismos nacionais e internacionais que apoiam o fortalecimento das estruturas de controle interno, essenciais à boa governança da Administração Pública. 

ASCIRE 
CNPJ nº 24.520.290/0001-62




MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Paulo Câmara liberou R$ 60 milhões para pagar férias indenizadas no TJPE beneficiando a própria mulher que é juíza. Para os demais servidores, aumento na alíquota da Previdência. Manobra foi revelada pela Folha de São Paulo