PF mira Collor por esquema de lavagem de R$ 6 mi em leilões


Do Estadão 

Operação Arremate cumpre 16 mandados de busca e apreensão para investigar ocultação de patrimônio do senador através da arrematação de bens em hastas públicas

Pepita Ortega e Fausto Macedo

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta, 11, a Operação Arremate, visando desarticular um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo compras de imóveis em hastas públicas. A ação investiga suposto envolvimento do senador e ex-presidente Fernando Collor em arrematações de bens, que, segundo a PF, somam R$ 6 milhões.

Cerca de 70 policiais federais cumprem 16 mandados de busca e apreensão em Maceió (AL) e em Curitiba (PR) para angariar provas para a investigação.


As ordens foram autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal.

Segundo a PF, a ação tem como identificar se Collor foi responsável por arrematações de imóveis em hastas públicas – momento em que são vendidos bens de um devedor para que sejam pagos custas e despesas de um processo – que teriam acontecido em 2010, 2011, 2012 e 2016.

A corporação diz que o senador teria utilizado um ‘testa-de-ferro’ para ocultar sua participação como beneficiário final das operações.

“As compras serviriam para ocultar e dissimular a utilização de recursos de origem ilícita, bem como viabilizar a ocultação patrimonial dos bens e convertê-los em ativos lícitos”, diz a Polícia Federal.

A PF indicou que os envolvidos poderão responder pelos crimes de lavagem de ativos, corrupção ativa e passiva, peculato, falsificações e por participação em organização criminosa.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem busca contato com a defesa do senador. O espaço está aberto para manifestações.

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Paulo Câmara liberou R$ 60 milhões para pagar férias indenizadas no TJPE beneficiando a própria mulher que é juíza. Para os demais servidores, aumento na alíquota da Previdência. Manobra foi revelada pela Folha de São Paulo