Governo de Pernambuco, do PSB, mantém homenagem a torturador da ditadura militar que tem seu nome em prédio público e MPPE resolve investigar

O estudante da UFRPE, Odijas Carvalho foi vítima de mais de 300 agressões e 17 horas de tortura que resultaram na sua morte sob o comando de homicida torturador homenageado pelo governo de Pernambuco 


Apesar de posar de democrata por conveniência política e eleitoral, o PSB mantém vergonhosa homenagem a um dos maiores torturadores da ditadura militar en Pernambuco, o ex-secretário de defesa social do Estado, Armando Samico, dando seu nome ao Instituto de Criminalística. Samico foi reconhecido por presos políticos em depoimentos à Comissão da Verdade como responsável por torturas e assassinatos de presos políticos, conforme destaca a matéria do Jornal do Commercio de 2013. Estranalhamente, o MPF recebeu a denúncia desde 2013 e somente agora encaminhou para o MPPE que decidiu investigar o caso.

Leiam a matéria do Jornal do Commercio:

Armando Samico foi secretário estadual de Segurança Pública na ditadura militar (1965-1985). Segundo testemunhas, ele coordenou pessoalmente a sangrenta sessão de tortura que levou o líder estudantil Odijas de Carvalho à morte, em 1971. À frente do Departamento de Ordem e Política Social (Dops) de Pernambuco, é acusado de torturar e ser personagem ativo da ordem de tortura a inúmeros presos políticos. Em plena democracia, porém, é homenageado por órgão do governo do Estado. Quem passa pela rua Odorico Mendes, em Campo Grande, vê estampado, com honras, o nome de Armando Samico, que foi perito criminal, no Instituto de Criminalística da Polícia Civil.
O ex-preso político e jornalista Marcelo Mário de Melo defende que é preciso revisar esses órgãos e equipamentos públicos que ainda rendem homenagem a torturadores do regime de exceção. “Acho que deve haver o esclarecimento sobre a biografia sinistra de Samico, bem como devem ser providenciadas as ‘desomenagens’ devidas em todos os casos”, diz.
Num depoimento à Comissão Estadual da Verdade Dom Hélder Câmara, o deputado estadual por Goiás, também ex-preso político, Tarzan de Castro, lembrou o envolvimento de Samico na morte de Odijas, submetido a 17 horas ininterruptas de pancada. Na época, também detido, Tarzan ouviu os gritos provocados pela violência e viu o estado completamente destruído em que se encontrava o estudante de 25 anos. “Um dia, o então secretário Armando Samico passou e eu o chamei: ‘Doutor, esse rapaz não vai resistir!’ Lembro dele dizer: ‘Que nada! Isso é esparro dele!’”, relatou Tarzan.
Chico de Assis, preso político na época em que Samico era secretário, é da tese de que as comissões da verdade precisam rever tais homenagens. “Não é o caso de tirar o nome de políticos que apoiaram a ditadura. Sou a favor de se tirar a homenagem de pessoas que tiveram envolvimento direto com as torturas”, defendeu.
O sociólogo e ex-preso político José Arlindo Soares tem posição contrária. “Sou contra mudar o nome de qualquer coisa. A história foi como é. Não é muito relevante como ato simbólico. Acho que a comissão deveria listar oficialmente os torturadores, divulgar suas biografias, numerar e definir os crimes que cometeu”, argumentou. Confrontado com o questionamento, o presidente da Comissão Estadual da Verdade, Fernando Coelho, adia o assunto.
“Não houve qualquer discussão sobre isso. Primeiro, tem que juntar e fazer a avaliação concreta. Não é tendência da comissão retificar nomes”, respondeu. Outros colegiados no País já tomaram iniciativas neste caminho.
Em São Paulo, a pedido do colegiado, o prefeito Fernando Haddad (PT) sancionou lei que permite excluir nomes de militares do regime de ruas. No Rio, mudou-se o nome de uma escola que se chamava Costa e Silva, presidente militar, para Abdias Nascimento, líder negro. Na ocasião, o presidente da Comissão Estadual da Verdade, Wadih Damous, declarou que a medida simbolizava um repúdio à ditadura e alimentava o apoio à democracia.


Leiam a Portaria do MPPE, publicada hoje:

PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DA CIDADANIA DA CAPITAL PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS PORTARIA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por seu Representante infra-assinado, com exercício junto à 7ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital, com atuação na Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos Arts. 127 e 129, inciso III, da Constituição Federal, c/c o Art. 1º, inciso VII e Art. 8º, §1º, da Lei Federal nº. 7.347/1985 e Art. 4º, inciso IV, alínea “a”, da Lei Complementar Estadual nº. 12/1994 e alterações; CONSIDERANDO o teor do Art. 14, Parágrafo único, da Resolução RES CSMP nº. 003/2019, e do Art. 2º, §§ 6º e 7º, da Resolução nº. 023/2007 do Conselho Nacional do Ministério Público, que regulamentam a instauração e tramitação do Inquérito Civil e, de igual maneira, do Procedimento Preparatório; CONSIDERANDO que, em consonância com os dispositivos citados, o prazo para conclusão do Procedimento Preparatório é de 90 (noventa) dias, prorrogável por igual período, uma única vez, e que na hipótese de vencimento do supracitado prazo deverá ser promovido o seu arquivamento, ajuizada a respectiva Ação Civil Pública ou sua conversão em Inquérito Civil; CONSIDERANDO a tramitação do Procedimento Preparatório n° 19009- 0/7, iniciado a partir de Notícia de Fato (NF) encaminhada a esta PJDH por meio do Ministério Público Federal, que contém cópia de notícia jornalística veiculada no dia 22.12.2013 pelo Jornal do Commércio, sobre a denominação do prédio do Instituto de Criminalística da Polícia Civil de Pernambuco, em homenagem ao Ex- Secretário Estadual de Segurança Pública, Armando Samico, conhecido como agente torturador no regime ditatorial estabelecido com o golpe militar de 1964; CONSIDERANDO que República Federativa do Brasil constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana e que entre seus objetivos fundamentais constam a construção de uma sociedade livre, justa e solidária (Art. 1º, incisos I, II e III c/c Art. 3º, incisos I e IV da CF/88); CONSIDERANDO ser atribuição do Ministério Público pugnar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias assegurados na Constituição Federal e nas leis infraconstitucionais, cabendo-lhe a defesa dos interesses sociais e individuais indisponíveis, assim como a notória necessidade de prevenir amplamente a ocorrência de situações de natureza simbólica antidemocrática e que violem o artigo V da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948; RESOLVE converter o referido Procedimento Preparatório em INQUÉRITO CIVIL, tendo por objeto a alteração do nome do edifício que abriga a Sede do Instituto de criminalística de Pernambuco, que possui nome de agente público envolvido na prática de graves violações de direitos humanos. 1.remeta-se à Secretaria Geral do Ministério Público, para fins de publicação no Diário Oficial Eletrônico do MPPE; 2. dê-se ciência ao Conselho Superior do Ministério Público, Caop Cidadania e à Corregedoria-Geral do Ministério Público do teor desta Portaria; 3. proceda-se aos devidos registros no SGAA e nos arquivos desta Promotoria de Justiça. Publique-se. Registre-se. Cumpra-se. Recife, 05 de novembro de 2019 Maxwell Anderson de Lucena Vignoli 7º Promotor de Justiça de Defesa da Cidadania Promoção e Defesa dos Direitos Humanos Exercício Cumulativo MAXWELL ANDERSON DE LUCENA VIGNOLI 7º Promotor de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

STF derruba sigilo de gastos da Presidência e Bolsonaro terá que mostrar faturas milionárias do cartão corporativo

Cabos da PM/PE denunciam que governo de Pernambuco só promove oficiais: "Quanta injustiça numa única corporação!"

Auditoria do TCE/PE constatou fraude fiscal, sonegação fiscal, superfaturamento, não prestação dos serviços em contrato de mais de R$ 16,7 milhões da ALEPE. Com a palavra o MPPE, o MPF, a Receita Federal e a Polícia Federal