Justiça dá vitória a Noelia Brito em ação de bolsonarista que pretendia intimidar e censurar a imprensa livre

Gilson Machado é cotado para assumir o Ministério do Turismo e para disputar a Prefeitura do Recife como candidato de Bolsonaro, de quem se diz amigo pessoal

O Juiz de Direito Sérgio José Vieira Lopes, do 4º Juizado Especial Cível e das Relações de Consumo da Capital julgou, hoje, improcedente, ação movida pelo publicitário e diretor da Embratur, Oswaldo Matos, que pretendia intimidar este Blog por meio de ações judiciais, inibindo o livre exercício do direito de opinião e de informar.

O publicitário é assessor do amigo de Bolsonaro, o também empresário e atual presidente da EMBRATUR, Gilson Machado Neto, que tem sido cotado para assumir o Ministério do Turismo numa eventual queda de Marcelo Álvaro Antônio e para disputar a Prefeitura do Recife, como candidato de Bolsonaro.

Após alardearem que a delegada Patrícia Domingos havia sido convocada para trabalhar com o ministro Sergio Moro, Oswaldo Matos e Gilson Machado foram desmentidos por documento e nota divulgados por diversos órgãos da imprensa pernambucana oriundos do próprio Ministério da Justiça que cancelou o documento de convocação apenas um dia depois de sua publicação. Os bolsonaristas plantaram na imprensa a informação da convocação, após seu cancelamento.

A notícia propagada por Gilson Machado, que segundo a revista Veja tem se dedicado a elaborar dossiês contra desafetos políticos, inclusive contra o presidente do próprio Partido, Luciano Bivar (leia em Veja: Bolsonaristas liderados por Gilson Machado chantagearam Luciano Bivar com dossiê acusando-o de homicídio de uma massagista ) foi desmentida pelo Ministério e por Sergio Moro, em notas publicadas, repita-se, por vários órgãos da imprensa, entretanto, por pura perseguição política, o assessor de Gilson Machado processou tão somente a editora do Blog da Noelia Brito, especializado no combate à corrupção e da fiscalização da gestão pública.

De acordo com a sentença, "Em contestação, NOELIA LIMA BRITO pugna pela improcedência da demanda, sustentando que não há que se falar em dano moral, destacando o propósito do autor em censurá-la e intimidá-la por meio de ação judicial que sabe desprovida de amparo constitucional ou jurisprudencial." De acordo com a decisão, "contrastando as teses expendidas na exordial e defesa aos documentos acostados aos autos, verifica-se que não há elementos que viabilizem a condenação pretendida." O magistrado destaca que "Datada de 13 de abril de 2019, a matéria traz a seguinte manchete: 'Moro desmente convocação de delegada pernambucana, inocenta Paulo Câmara e transforma convite em mais uma Fake News bolsonarista'."

Ainda segundo a sentença "após detida análise das versões e documentos apresentados por ambas as partes, não considero que a publicação em comento tenha o propósito de macular a imagem da parte autora. Trata-se de texto que reflete opinião e análise sobre acontecimentos, movimentações de bastidores, articulações e especulações inerentes ao jogo político." Além disso, diz o magistrado, "o objeto da presente lide não possui conexão com a intenção e repercussão do fato político, mas se a blogueira demandada teria cometido ilícito civil contra o autor quando da propagação da referida matéria." E prossegue: "Da análise dos termos da matéria, entendo que não houve conduta suficiente para a configuração de um dano de natureza moral, sendo que a abordagem crítica adotada reflete opinião pessoal da demandada e não extrapola os limites da liberdade de expressão. A notícia veiculada no blog da ré trata de fato com repercussões políticas, encontrando-se dentro do limite de liberdade de expressão, de imprensa e comunicação, próprias do regime democrático de direito." E finliza: "Ante o exposto, julgo improcedentes os pedidos formulados na inicial, na forma do art. 487, I, do Código de Processo Civil." 

O assessor de Gilson Machado que tentou usar a Justiça para censurar a imprensa livre se notabilizou recentemente por divulgar um vídeo em que chorava copiosamente vestido numa camisa da Seleção e se dizendo emocionado com o governo de Bolsonaro.

Ainda bem que ainda há juízes em Berlim!

Leiam a íntegra da decisão:





Tribunal de Justiça de Pernambuco
Poder Judiciário
4º Juizado Especial Cível e das Relações de Consumo da Capital - Turno Manhã - 07:00h às 13:00h


AV MARECHAL MASCARENHAS DE MORAIS, 1919, - de 1683 a 2685 - lado ímpar, IMBIRIBEIRA, RECIFE - PE - CEP: 51150-001 - F:( )

Processo nº 0019793-48.2019.8.17.8201

DEMANDANTE: OSVALDO MATOS DE MELO JUNIOR

DEMANDADO: NOELIA LIMA BRITO

SENTENÇA

Vistos etc.

Dispensado o relatório nos termos do art. 38 da Lei nº 9.099/95.

Trata-se de AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS C/C COM OBRIGAÇÃO DE FAZER E TUTELA ANTECIPADA proposta por OSVALDO MATOS DE MELO JÚNIOR em desfavor de NOÉLIA LIMA BRITO, em decorrência de matéria e publicações tidas como ofensivas, denegrindo a imagem e reputação do autor, com xingamentos, inverdades e qualificações desabonadoras.

Em contestação, NOELIA LIMA BRITO pugna pela improcedência da demanda, sustentando que não há que se falar em dano moral, destacando o propósito do autor em censurá-la e intimidá-la por meio de ação judicial que sabe desprovida de amparo constitucional ou jurisprudencial.

Com efeito, contrastando as teses expendidas na exordial e defesa aos documentos acostados aos autos, verifica-se que não há elementos que viabilizem a condenação pretendida.


Datada de 13 de abril de 2019, a matéria traz a seguinte manchete: “Moro desmente convocação de delegada pernambucana, inocenta Paulo Câmara e transforma convite em mais uma Fake News bolsonarista”.

Com efeito, após detida análise das versões e documentos apresentados por ambas as partes, não considero que a publicação em comento tenha o propósito de macular a imagem da parte autora. Trata-se de texto que reflete opinião e análise sobre acontecimentos, movimentações de bastidores, articulações e especulações inerentes ao jogo político.

Tem-se que o objeto da presente lide não possui conexão com a intenção e repercussão do fato político, mas se a blogueira demandada teria cometido ilícito civil contra o autor quando da propagação da referida matéria.

Da análise dos termos da matéria, entendo que não houve conduta suficiente para a configuração de um dano de natureza moral, sendo que a abordagem crítica adotada reflete opinião pessoal da demandada e não extrapola os limites da liberdade de expressão. A notícia veiculada no blog da ré trata de fato com repercussões políticas, encontrando-se dentro do limite de liberdade de expressão, de imprensa e comunicação, próprias do regime democrático de direito.

Ante o exposto, julgo improcedentes os pedidos formulados na inicial, na forma do art. 487, I, do Código de Processo Civil.

Para efeito de cálculo do preparo do recurso, considere-se o valor atribuído à causa. Sem custas e honorários, ante o que preceitua o art. 55 da lei 9099/95. P. R. I. Recife, 21 de novembro de 2019.

SÉRGIO JOSÉ VIEIRA LOPES
 Juiz de Direito

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Paulo Câmara liberou R$ 60 milhões para pagar férias indenizadas no TJPE beneficiando a própria mulher que é juíza. Para os demais servidores, aumento na alíquota da Previdência. Manobra foi revelada pela Folha de São Paulo