Justiça do Pará manda soltar brigadistas e impõe medidas cautelares até julgamento da lide



Após a polêmica prisão dos brigadistas ligados a ONG ambientalista, sob a acusação de serem responsáveis pelos incêndios criminosos na Floresta Amazônica, a própria justiça do Pará determinou sua soltura para que possam responder o processo em liberdade.

No entanto, o juiz criminal Alexandre Rizzi, da 1. Vara Criminal de Santarem, determinou a aplicação de medidas cautelares.

Há suspeitas levantadas pelo Ministério Público Federal e pela Policia Federal no Pará de que os incêndios tenham sido praticados por fazendeiros e não pelos ambientalistas.

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), determinou a troca da chefia da investigação sobre o caso dos brigadistas e ONGs suspeitos de serem responsáveis pelos incêndios.
A defesa dos brigadistas e entidades nacionais e internacionais acusam a Polícia Civil de falta de provas e arbitrariedade no pedido de prisão preventiva. Em nota, a OEA afirmou que prisões têm cheiro de armação.
Leiam a decisão:





MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos