Justiça do Pará manda soltar brigadistas e impõe medidas cautelares até julgamento da lide



Após a polêmica prisão dos brigadistas ligados a ONG ambientalista, sob a acusação de serem responsáveis pelos incêndios criminosos na Floresta Amazônica, a própria justiça do Pará determinou sua soltura para que possam responder o processo em liberdade.

No entanto, o juiz criminal Alexandre Rizzi, da 1. Vara Criminal de Santarem, determinou a aplicação de medidas cautelares.

Há suspeitas levantadas pelo Ministério Público Federal e pela Policia Federal no Pará de que os incêndios tenham sido praticados por fazendeiros e não pelos ambientalistas.

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), determinou a troca da chefia da investigação sobre o caso dos brigadistas e ONGs suspeitos de serem responsáveis pelos incêndios.
A defesa dos brigadistas e entidades nacionais e internacionais acusam a Polícia Civil de falta de provas e arbitrariedade no pedido de prisão preventiva. Em nota, a OEA afirmou que prisões têm cheiro de armação.
Leiam a decisão:





MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Paulo Câmara liberou R$ 60 milhões para pagar férias indenizadas no TJPE beneficiando a própria mulher que é juíza. Para os demais servidores, aumento na alíquota da Previdência. Manobra foi revelada pela Folha de São Paulo