MPF, PF e Receita Federal realizam Operação Apáte em Pernambuco e noutros Estados contra profissionais da sonegação fiscal. Entre os alvos, advogados, contadores e empresários


O Ministério Público Federal em São Paulo, a Polícia Federal (PF) e a Receita Federal do Brasil (RFB), em ação conjunta, deflagraram na manhã desta sexta-feira, 19, a Operação Apáte, com o objetivo de desarticular organização criminosa dedicada à prática de sonegação tributária fraudulenta na fabricação e comercialização de cigarros, além de crimes contra a administração Pública.

Estão sendo cumpridos 31 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e no Distrito Federal, além de medidas de sequestro de bens. Aproximadamente 170 servidores públicos federais estão envolvidos no cumprimento das medidas.

As investigações são um desdobramento da Operação Ex-Fumo, deflagrada em 2017 em Pouso Alegre (MG), e se baseiam em elementos de prova obtidos a partir de acordo de colaboração premiada.

Durante a Operação Ex-Fumo, foi descoberto que empresários do setor cigarreiro formaram uma organização que visava a sonegação tributária de forma parasitária, por intermédio de empresas que acumularam bilhões em dívidas tributárias.

Já na operação desta manhã, o foco principal da apuração é a atuação de organização criminosa composta por advogados, contadores, operadores financeiros, “lobistas” e ex-funcionários públicos, que prestam a diversas empresas – inclusive àquelas alvo da Operação Ex-Fumo -, serviços ilícitos para viabilizar o exercício de atividade empresarial predatória, por meio da sonegação tributária sistemática, mediante mecanismos de compensações fraudulentas, e da corrupção.

SERVIÇO COMPLETO. As investigações mostram que os criminosos oferecem serviços nas esferas administrativa e judicial. Na esfera administrativa, o principal “produto” é a viabilização de sonegação tributária mediante compensações tributárias inexistentes. O grupo fornece todo o aparato - inclusive a utilização de “laranjas”, que titularizam os certificados digitais - para que a empresa informe seus débitos perante a Receita Federal, mensalmente, mas em vez de proceder ao pagamento, atrele a esses débitos direitos de crédito de imposto de renda sabidamente inexistentes.

Com isso, os sonegadores obrigam a Receita Federal a avaliar cada declaração, o que protela a exigibilidade do débito já declarado. Apenas entre 2018 e 2019, os levantamentos mostram que a principal empresa investigada declarou débito perante a Receita de mais de R$ 118 milhões, e alega possuir créditos (sabidamente inexistentes) de cerca de R$ 221 milhões. Com o estratagema, além de não pagar os tributos devidos, o grupo ainda se diz credor do fisco em quantias milionárias.

Na esfera judicial, após a prorrogação da discussão administrativa ao máximo, o grupo se vale do ajuizamento de ações perante a Justiça Federal, visando a impedir a atuação da Receita Federal, inclusive obstaculizando a cassação do registro especial da empresa. Há provas de que os investigados, ao ajuizarem estas ações, pediram valores milionários aos empresários investigados, insinuando que utilizariam os valores para a compra de decisões liminares.

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.Além disso, a organização se vale de influência na administração pública para obter de forma ilícita atos administrativos de concessão de registros especiais para a fabricação de cigarros, que são comercializados clandestinamente.

A investigação demonstra que a empresa alvo das apurações teve seu registro especial para a fabricação de cigarros concedido pela Receita Federal em 2014, de forma fraudulenta, a partir da atuação de um ex-Auditor Fiscal com grande influência na Coordenação-Geral de Fiscalização (COFIS), órgão integrante da estrutura da Receita Federal do Brasil, que, dentre outras atribuições, concentra o poder de conceder registros especiais para fabricação de produtos controlados, como o cigarro.

Posteriormente, este registro especial veio a ser comercializado. Há provas do pagamento de pelo menos R$ 18 milhões nesta operação, mediante a utilização de complexa engenharia financeira, que envolve diversas pessoas jurídicas em cujas contas os recursos transitaram, bem como uma casa de câmbio clandestina, localizada em Brasília (DF).

Para o desempenho das suas atividades, o grupo conta com profissionais de diversas áreas. Advogados cuidam dos procedimentos perante a Receita Federal, envolvendo inclusive as impugnações administrativas. A eles compete também patrocinar as ações judiciais que têm por objetivo procrastinar a cobrança dos débitos. Contadores atuam, primordialmente, na engenharia societária criada pela organização, abrindo empresas de fachada e alterando a composição dos quadros societários das empresas existentes.

A oferta dos “serviços” prestados pela organização, bem como a negociação dos valores a serem pagos, fica a cargo de um grupo de intermediadores (“lobistas”). Estes mesmos intermediários titularizam diversas empresas que recebem os pagamentos (geralmente mensais) e depois remetem os valores a uma casa de câmbio que centraliza a operação financeira do grupo.

Também são alvos da investigação os empresários das empresas cigarreiras que operacionalizavam o esquema criminoso e com ele auferiram recursos milionários, em prejuízo ao erário.

Os envolvidos são investigados pelos crimes de organização criminosa (art. 2º, Lei 12.850/13); sonegação fiscal (arts. 1º e 2º da Lei 8.137/90); tráfico de influência (art. 332 do Código Penal); corrupção passiva (art. 317 do Código Penal) e corrupção ativa (art. 333 do Código Penal).

*Com informações da Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República no Estado de S. Paulo

MAIS VISITADAS DO MÊS

PF flagrou 114 contatos telefônicos entre desembargadora afastada e traficante de drogas e assaltante de carro-forte

STF afasta Conselheiro do TCM-BA por propina de R$ 25 milhões exigida quando era ministro das Cidades

"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara

Remuneração a juíza do TJ-PE chega a mais de R$ 1 milhão em novembro, revela a Folha de São Paulo

Paulo Câmara liberou R$ 60 milhões para pagar férias indenizadas no TJPE beneficiando a própria mulher que é juíza. Para os demais servidores, aumento na alíquota da Previdência. Manobra foi revelada pela Folha de São Paulo