Opinião: O caso DECASP e a cultura política do cinismo, por Saulo Brasileiro



Por Saulo Brasileiro* 

O dia 07 de novembro é marcante para o combate à corrupção em Pernambuco. Nesse dia, no ano de 2018, o Projeto de Lei, do Governador Paulo Câmara (PSB), que extinguiu a Delegacia dos Crimes contra a Administração e Serviços Públicos (DECASP), chefiada pela corajosa Delegada Patrícia Domingos e que investigava crimes graves, se transformou oficialmente na Lei Estadual nº 16.455 ao ser publicada no Diário Oficial. Assim fechou a nossa delegacia anticorrupção, que é verdadeiro patrimônio moral do Estado. 

O projeto, encaminhado com urgência jamais explicada, foi aprovado pelos deputados estaduais sem maiores dificuldades e sancionado pelo Governador, sob fortes protestos da sociedade civil e de instituições que prezam pelo combate à corrupção. 

Tamanho foi o absurdo que o Governador não enviou o Projeto até ser reeleito – se era tão bom o projeto, por que não o enviou durante as eleições? Tuas ideias não correspondem aos fatos... Ah, mas o tempo não para! 

Fui ao Poder Judiciário, acompanhado de amigos da Faculdade de Direito do Recife, denunciando as falhas dessa extinção sob o ponto de vista jurídico (especialmente a imoralidade administrativa). 

Argumentos não faltaram: absolutamente nada justificava o fechamento da DECASP, em nítida perseguição à Delegada Patrícia Domingos e proteção de aliados envolvidos nos mais variados crimes contra toda a sociedade pernambucana. 

Uma esperança surgiu com a corajosa liminar do juiz Augusto Napoleão Sampaio Angelim, garantindo uma sobrevida mínima à DECASP por 45 dias, sob o comando de Patrícia Domingos. Infelizmente, poucos dias depois, o Desembargador Adalberto de Oliveira Melo, Presidente do Tribunal, sem sequer levar em consideração os nossos argumentos e ouvir o Ministério Público, suspendeu a liminar e sepultou a volta da DECASP. 

Tempos estranhos! Tempos em que se tem o dito pelo não dito. Tempos em que delegados competentes são retaliados com remoções arbritrárias, processos administrativos infundados e todo tipo de represália quando suas investigações se aproximam dos donos do poder, cuja hegemonia está felizmente em franca decadência. 

Passou-se um ano dessa violência sem precedentes e a nossa delegacia anticorrupção continua em nossas mentes, pois se imortalizou. Lei nenhuma, governante nenhum e deputado nenhum poderá apagar o espírito da DECASP da população de Pernambuco. Apesar de você, amanhã há de ser outro dia! Não esqueceremos jamais daqueles que não se comprometeram com a defesa do dinheiro e interesse públicos.

O corajoso povo pernambuco se levantou em defesa da nossa delegacia anticorrupção e em defesa do dinheiro público, fruto dos nossos impostos, e irá se levantar tantas vezes quantas sejam necessárias. Quem coloca as suas mãos sujas na merenda das crianças não merece respeito e menos ainda quem os protege. 

A luta não acabou. De forma alguma. Os olhos da sociedade estão mais abertos do que nunca. A corrupção não vencerá o desejo de todos por uma sociedade melhor e não irá calar a voz da população. O tempo provará isso. A DECASP vive em todos nós.

* Saulo Brasileiro é formado pela Faculdade de Direito do Recife (UFPE) e coautor de ação popular contra o fim da DECASP.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Única nota 1000 do ENEM de Pernambuco faz homenagem a seu professor de Português

Exclusivo: Sai João e entra Tadeu na sucessão no Recife

À Época, Antônio Campos afirma ter denunciado, às autoridades, esquema maior do que o da Paraíba, operando em Pernambuco pelas mãos de Renata Campos e do PSB

Coincidência: donos do terreno desapropriado por R$ 38 milhões por Geraldo Julio são parentes de outro prefeito do PSB

Ataques de Secretário de Geraldo Julio contra Patrícia Domingos em debate são confissão de pânico de uma possivel candidatura da policial à Prefeitura do Recife