"Jovem deputado foi nutrido na mamadeira da Odebrecht", responde Antonio Campos ao sobrinho João Campos após ser chamado de "mau sujeito" em audiência da Câmara



Uma referência depreciativa feita pelo deputado federal João Campos, do PSB, contra o tio, o advogado e presidente da Fundaj, Antônio Campos, durante audiência em que era ouvido o ministro da Educação gerou uma forte reação, por meio de nota, da parte de Antônio.

Na audiência, ao ser lembrado de que seu tio Antônio integrava a gestão de Weintraub na qaulidade de presidente da Fundação Joaquim Nabuco, João reagiu acusando o próprio tio de ser um sujeito pior do que o próprio ministro.

Na nota, Antonio chega a afirmar que o sobrinho "foi nutrido na mamadeira da Odebrecht" e que inclusive está com os bens herdados bloqueados.

Antônio Campos ainda afirma que "Pernambuco precisa conhecer o lado obscuro de Renata Campos e seu filho" e que esse lado obscuro será levado ao conhecimento da PF e do MPF.

Leiam a nota na íntegra:

NOTA

 Com referência à agressão feita pelo deputado João Campos (PSB-PE), que seria um “mau sujeito”, tenho a dizer: O jovem deputado foi nutrido na mamadeira da empresa Odebrecht, entre outras, estando com os bens patrimoniais dos quais é herdeiro bloqueados. Pernambuco precisa conhecer o lado obscuro de Renata Campos e seu filho. Estarei protocolando perante à Procuradoria Geral da República, à Polícia Federal e ao Núcleo da Operação Lava Jato, petições, que depois de protocoladas, tornarei pública à imprensa e às autoridades constituídas, revelando uma parte desse lado obscuro. Recife, 12 de dezembro de 2019 Antônio Campos, advogado

MAIS VISITADAS DO MÊS

Justiça recebe denúncia contra tenente coronel da PMPE acusado de assediar sexualmente 4 subordinadas policiais militares

À Época, Antônio Campos afirma ter denunciado, às autoridades, esquema maior do que o da Paraíba, operando em Pernambuco pelas mãos de Renata Campos e do PSB

Única nota 1000 do ENEM de Pernambuco faz homenagem a seu professor de Português

Indústria de multas de Geraldo Júlio arrecadou R$ 230 milhões em apenas 4 anos enquanto gastos com educação no trânsito não chegam a R$ 550 mil

Exclusivo: Sai João e entra Tadeu na sucessão no Recife