Exclusivo: Sai João e entra Tadeu na sucessão no Recife


O Blog da Noelia Brito apurou que diante de resultados alarmantes em pesquisas qualitativas feitas pelo PSB e do agravamento da briga familiar envolvendo os Campos, os Arraes e os Andrade Lima, que promete novos capítulos de crise nos próximos meses, foi convocada uma reunião na noite de ontem, onde se cogitou a substituição do deputado João Campos, que já era dado como candidato certo do PSB à sucessão de Geraldo Julio, que sonha em ser o próximo governador de Pernambuco, por outro nome do PSB.

Em substituição a João Campos, outro integrante do condomínio político-familiar socialista,  o deputado Tadeu Alencar, figuraria como o preferido de Renata Campos, comandante do grupo político que governa Pernambuco e Recife.

Tadeu Alencar é pai de Tomás Alencar, marido de Eduarda Campos, irmã de João Campos. Com a escolha de Tadeu, que chegou a ser cotado pelo próprio Eduardo Campos para sucedê-lo como governador, mas que acabou sendo rifado e substituído por Paulo Câmara, depois de uma guerra interna de dossiês patrocinada por Danilo Cabral e Milton Coelho, a sucessão no Recife permaneceria em família.

Segundo nossas fontes palacianas, por ser ainda muito jovem, João tem apenas 25 anos, a cúpula do PSB, comandada por Renata Campos, mãe do deputado, tem avaliado que seria preferível poupá-lo de uma eventual derrota e lançar outro nome, deixando uma eventual candidatura do jovem parlamentar a um cargo majoritário para momento em que o desgaste das gestões socialistas não esteja tão forte. É esperar para conferir.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Justiça recebe denúncia contra tenente coronel da PMPE acusado de assediar sexualmente 4 subordinadas policiais militares

Empresário é executado com tiro na cabeça, no Recife e Polícia mantém seu nome sob sigilo. Vítima seria irmão de autoridade do Poder Judiciário. Crimes de mando têm sido frequentes em Pernambuco

Roberto Viana e o Game of Thrones de Pernambuco

Antônio Campos cumpriu o que disse à Época e depôs hoje, no MPF, como testemunha em inquérito sigiloso envolvendo caciques do PSB. Vejam a nota

Indústria de multas de Geraldo Júlio arrecadou R$ 230 milhões em apenas 4 anos enquanto gastos com educação no trânsito não chegam a R$ 550 mil