Geraldo Julio vai pagar R$ 38 milhões a particular apenas por benfeitorias que serão demolidas em terreno de marinha, portanto, da União


O valor exorbitante de R$ 38 milhões, a ser pago a título de indenização, pela gestão Geraldo Julio, pela desapropriação de um imóvel pertencente à empresa Maxxima Empreendimentos chamou atenção da população recifense que se surpreendeu de ver o prefeito, na calada da noite de Natal, emitir um empenho de tal valor, em tempos bicudos, para adquirir um imóvel para abrigar  a construção equipamentos da Secretaria de Educação, dentre os quais, a sede administrativa do órgão e uma escola.

Mas o que ninguém se atentou é que esse valor absurdo se refere, tão somente, às chamadas benfeitorias feitas no terreno, que segundo o próprio empenho, é de marinha, portanto, da União, não sendo indenizável ao possuidor, no caso, a empresa Maxxima.

Chama atenção, ainda, que de acordo com o mesmo empenho, a gestão Geraldo Julio está torrando essa verdadeira fortuna, em seu último ano de governo, para adquirir algo que está demolido para abrigar as construções mencionadas no empenho.

Certamente o caso será analisado pela Auditoria do TCE e pelo MPPE.

Esperamos que nao ocorra o mesmo que se deu com o Centro Administrativo de Jaboatão, onde a auditoria do TCE e os técnicos do MPPE encontraram gigantesco superfaturamento no aluguel, mas o relator do processo preferiu adotar valores indicados pela própria Prefeitura de Anderson Ferreira.



MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos