Maxxima diz que discordou da desapropriação do imóvel de R$ 38 milhões, mas pede à justiça que casse liminar que suspendeu procedimento. Na mesma petição, reconhece parentesco de sócios com aliado de Geraldo Julio, mas nega influência



Em petição em que desfere ofensas contra aqueles que se manifestaram contra desapropriação de R$ 38 milhões da Prefeitura do Recife, inclusive contra este Blog, os advogados da empresa Maxxima demonstram incongruência quando afirmam ter recusado a proposta da Prefeitura do Recife para que seu imóvel fosse adquirido pela gestão Geraldo Julio.

É que soa estranho que ao mesmo tempo em que afirma discordar da proposta da Prefeitura, pede que a Justiça Federal casse a liminar que mandou suspender a mesma desapropriação c9m a qual afirma discordar. Ora, se é verdade que houve recusa da Maxxima quanto à proposta administrativa, por que concorda com a desapropriação onde há imposição de preço pela Administração? É no mínimo inusitado que prefira ser expropriado do que sujeito de uma negociação amigável. A rigor, deveria preferir que o processo prosseguisse ao ponto de que um perito do próprio juizo apontasse o preço correto.

Chama atenção, ainda, que o simples fato de zelar pelo Erário seja motivo para que cidadãos e jornalistas sejam ofendidos por pessoas que por fazerem negócios com o Erário podem e devem ser fiscalizados. O nome disso é democracia.

Em sua peça, a Maxxima ofende a editora deste Blog, o autor da ação popular e o perito que fez o laudo a partir do qual até o Ministério Público de Contas chegou a pedir esclarecimentos à gestão sobre a desapropriação. Será que o MPCO também vai receber a pecha de politiqueiro?



Na petição, a Maxxima reconhece que seus donos são realmente parentes de um prefeito do PSB, aliado do Prefeito Geraldo Julio, mas negam que isso tenha influenciado na negociação. Confirmaram o que foi revelado por este Blog que não disse nada a mais do que a verdade.

Observem que primeiro a Maxxima alega que "jamais desejou oi concorreu" para a desapropriação e logo em seguida pede ao Juiz que deixe o processo prosseguir:




MAIS VISITADAS DO MÊS

Certidão de Óbito autenticada pelo TJPE atesta morte de morador de Prazeres, em Jaboatão, Pernambuco, por coronavírus, mas SES não o inclui nas estatísticas. Secretaria silencia sobre o caso

URGENTE! Governo de Pernambuco estaria escondendo duas mortes por coronavírus. Denúncia é de policiais civis que trabalham no IML que não teriam equipamentos adequados para autópsia

Pacto Pela Morte: Delegados denunciam ordem do Governo Paulo Câmara que facilita prescrição de crimes, principalmente de homicídios, inclusive com ameaças de perseguições contra quem não aceitar prevaricar

Empresário que escapou de quarentena e levou covid-19 para sul da BA é filho de uma desembargadora do TJ/CE, ex-conselheira do CNJ

Direita já se organiza para derrubar Bolsonaro, o louco. Frota protocola impeachment e Janaina decreta: "esse senhor tem que sair"