Áudio mostra deputado federal negociando propina e gargalhando. Apesar dos flagrantes, colegas parlamentares defendem retorno de Wilson Santiago ao Congresso



Em conversa gravada pelo delator George Ramalho Barbosa, empresário que relatou pagamentos de propina ao deputado federal da Paraíba, Wilson Santiago, do PTB, afastado do cargo por ordem do ministro Celso de Mello, do STF, o deputado aparece gargalhando e debochando da própria corrupção, no que a Policia Federal classificou de "inequívoca demonstração de naturalidade no manejo de recursos públicos desviados a título de propina".

Deputados decisem hoje se permitem o retorno do colega flagrado negociando propina para si e para terceiros ao Parlamento.

Assessores de Wilson Santiago foram flagrados em ação controlada da PF recebendo propina em dinheiro que seria destinado ao Parlamentar.

"Wilson Santiago, ainda, tenta passar a George a impressão de que ele (Wilson) seria uma espécie de intermediário da propina, a qual seria destinada a pessoas de Brasília, reclamando de que estaria 'se arriscando à toa', e que o dinheiro já deveria ter sido recebido desde dezembro, 'e os caba achando que tava tendo enrolação'. Por fim, após George dizer que uma terceira pessoa teria informado que Wilson Santiago não teria repassado sequer um centavo da propina que lhe fora destinada, o parlamentar responde: 'Tá bom, deixa ele dizer', emendando em seguida, aos risos: 'Tu acha que resolve essas coisas sem dar nada a ninguém?', numa inequívoca demonstração de naturalidade no manejo de recursos públicos desviados a título de propina: "

Ouçam o áudio:




MAIS VISITADAS DO MÊS

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos