Conteúdo de depoimento de Antonio Campos ao MPF seria "nitroglicerina pura"



Postagem no Instagram do advogado criminalista Weryd Simões, que acompanhou o presidente da Fundaj e também advogado, Antônio Campos, em seu depoimento, na manhã de hoje, ao Ministério Público Federal, deixa transparecer, embora sem dar nenhum detalhe, já que foi dado em um procedimento que tramita sigilosamente no Núcleo de Combate à Corrupção do MPF, em Pernambuco, que o depoimento de Tonca, como é conhecido o irmão do ex-governador Eduardo Campos, sobre irregularidades envolvendo os principais caciques do PSB pernambucano, seria tão explosivo que, segundo as palavras de Weryd Simões, não deixaria pedra sobre pedra.

O advogado usou como alegoria uma bandeira de Pernambuco e logo abaixo da imagem a frase "não ficará pedra sobre pedra", logo em seguida a duas fotografias, uma da fachada do MPF e outra da matéria do nosso Blog noticiando a ida de Antonio Campos ao MPF e a nota por este divulgada.

O Blog apurou que o depoimento teria durado cerca de três horas e que foi tomado por trés Procuradores da República. 

Fontes do Blog contaram ainda que Antônio teria "dado de cano de ferro", mas não revelaram o teor do depoimento, que segue um mistério.



Leiam a nota de Antonio Campos divulgada logo após seu depoimento

Antônio Campos cumpriu o que disse à Época e depôs hoje, no MPF, como testemunha em inquérito sigiloso envolvendo caciques do PSB. Vejam a nota

MAIS VISITADAS DO MÊS

Justiça recebe denúncia contra tenente coronel da PMPE acusado de assediar sexualmente 4 subordinadas policiais militares

Empresário é executado com tiro na cabeça, no Recife e Polícia mantém seu nome sob sigilo. Vítima seria irmão de autoridade do Poder Judiciário. Crimes de mando têm sido frequentes em Pernambuco

Roberto Viana e o Game of Thrones de Pernambuco

Antônio Campos cumpriu o que disse à Época e depôs hoje, no MPF, como testemunha em inquérito sigiloso envolvendo caciques do PSB. Vejam a nota

Indústria de multas de Geraldo Júlio arrecadou R$ 230 milhões em apenas 4 anos enquanto gastos com educação no trânsito não chegam a R$ 550 mil