Inquérito que investiga supostos crimes de caciques do PSB foi instaurado em 2018, pelo MPF, revela pedido de proteção encaminhado por Antônio Campos a Sergio Moro



Apesar do sigilo em torno do caso, é possível constatar que as investigações sobre possíveis práticas criminosas envolvendo caciques do PSB, em Pernambuco, tramitam pelo menos desde 2018, no Núcleo de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal, em Pernambuco.

O número do Procedimento Investigatório Criminal no qual o advogado e presidente da Fundaj, Antônio Campos, foi chamado a depor como testemunha, aparece no e-mail e na representação que o irmão de Eduardo Campos encaminhou ao Ministro da Justiça, Sérgio Moro, pedindo proteção em razão de ameaças que viria sofrendo após depor no mencionado inquérito criminal que tem o número  (PIC 1.26.000.002022/2018-80).

Os advogados de Antônio Campos estão neste momento a caminho da Polícia Federal para ali também protocolar representação reportanto as ameaças.






MAIS VISITADAS DO MÊS

Justiça recebe denúncia contra tenente coronel da PMPE acusado de assediar sexualmente 4 subordinadas policiais militares

Empresário é executado com tiro na cabeça, no Recife e Polícia mantém seu nome sob sigilo. Vítima seria irmão de autoridade do Poder Judiciário. Crimes de mando têm sido frequentes em Pernambuco

Roberto Viana e o Game of Thrones de Pernambuco

Antônio Campos cumpriu o que disse à Época e depôs hoje, no MPF, como testemunha em inquérito sigiloso envolvendo caciques do PSB. Vejam a nota

Indústria de multas de Geraldo Júlio arrecadou R$ 230 milhões em apenas 4 anos enquanto gastos com educação no trânsito não chegam a R$ 550 mil