PF deflagra operação contra doleiros pernambucanos que lavam dinheiro no exterior usando empresas de água mineral



A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (27/02) uma ação policial denominada “Operação Aqua”, que apura suspeita de atividade clandestina em operações de câmbio, evasão de divisas ao exterior, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo os dados obtidos pela Polícia Federal até então, os investigados atuam há vários anos como “doleiros” na capital pernambucana. A maior parte dos dados que constam no inquérito instaurado foi alcançada através de cooperação internacional com os Estados Unidos da América. O nome da operação decorre de alusão a empresas de distribuição de água mineral pertencentes a indivíduos sob investigação, em nome das quais teriam sido abertas contas bancárias para realização de movimentações financeiras ilícitas.

Estão sendo cumpridos quatro (4) mandados de Busca e Apreensão expedidos pela Justiça Federal em Recife, destinados a endereços de pessoas e empresas, nos bairros do Pina e Ibura, em Recife, além de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes.

Nas buscas foram apreendidos celulares, notebook e vasta documentação que irá passar por uma perícia técnica a fim de subsidiar as investigações que estão em andamento.

Se condenados por todos os crimes investigados, os suspeitos podem cumprir penas de até 24 anos de reclusão.

Com informações da Assessoria de Comunicação da PFPE que não divulgou os nomes dos investigados.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Aliado de Arthur Lira, do Centrão, Marinaldo Rosendo é alvo de Operação da PF por desvios de recursos do SUS durante sua primeira gestão na Prefeitura de Timbaúba

Após dia de polêmica, Marília Arraes solta nota rebatendo acusações de traição, golpismo e aliança com a direita que lhe foram imputadas por colegas do PT

Lideranças e ex-presidentes defendem reeleição do Bruno Baptista à presidência da OAB/PE

Diretoria Antimáfia Italiana e Polícia Federal em Pernambuco prendem Italiano apontado como líder de rede de traficantes internacionais de drogas. O estrangeiro morava em Aldeia, na cidade pernambucana de Camaragibe

Priscila Krause afirma que João Campos manteve equipe administrativa da Secretaria de Saúde, alvo de sete operações da PF: “de fato ele confia na equipe”