Quem mandou a PM censurar músicas de Chico Science e ameaçar artistas no Carnaval do Recife? Foi tu, Paulo?




O Portal "Leia Já" trouxe uma denúncia gravíssima de que vários artistas teriam sido intimidados por policiais militares durante suas apresentações no Carnaval do Recife, pelo "crime" de tocar músicas do ícone da cultura MangueBeat, o já falecido artista pernambucano Chico Science.

Segundo o Leia Já, "Cantores e bandas que se apresentaram no Carnaval do Recife denunciaram abusos por parte da Polícia Militar de Pernambuco"

Ainda segundo o Portal, a "banda Janete Saiu Para Beber afirmou que, enquanto tocava a música 'banditismo por uma questão de classe', de Chico Science e Nação Zumbi, a PM fez uma barreira entre os artistas e o público e ameaçou levar o vocalista preso. O fato foi revertido pela produção do show, que aconteceu no dia 24 de fevereiro, na rua do Apolo, Recife Antigo".

Ouça a música de Chico Science e Nação Zumbi censurada pela PM de Pernambuco em pleno Carnaval do Recife:


Os integrantes da banda relataram ao Leia já que a justificativa dada pela PM era que “Chico Science não pode tocar”. 
Foto: Alepe
Por sua vez, o cantor da banda Devotos, Cannibal, disse a à equipe de reportagem do Leia Já que também, depois de tocar “banditismo por uma questão de classe” no pólo da Várzea, Zona Oeste do Recife, na terça-feira (25), a sua equipe de produção foi alertada pelos PMs que se insistissem em canções desse tipo o show seria encerrado. Um trecho da canção diz: "em cada morro uma história diferente e a polícia mata gente inocente", conta ainda, o Portal de Notícias. Interessante é que há pouco tempo, deputados apoiadores de Paulo Câmara, a exrmplo de Isaltino Nascimento e João Paulo, prestaram homenagem à banda na Alepe e até dançaram junto com seus integrantes, para no Carnaval, a Polícia comandada pelo governador que apoiam fazer ameaças e censura aos artistas. Será que esses dois irão usar a tribuna para cobrar do governador esclarecimentos e providências contra essa ação típica do bolsonarismo?

Já no show do cantor China, ainda segundo o Leia Já, que aconteceu na terça (25), a Polícia Militar subiu no palco para finalizar o show. O cantor afirma que a justificativa dada foi de que o horário da apresentação já tinha estourado e que precisava ser encerrada. A programação oficial divulgada pela Prefeitura do Recife, mostra que o cantor deveria começar o show às 23h40. A empresária Pamella Gachido confirma que por volta das 22h a equipe já estava no local para fazer o show, mas o cantor só pôde entrar no palco por volta da 1h da madrugada por conta do atraso da própria programação local.

Foto: PMPE
“Tivemos que cortar algumas músicas do repertório e enquanto China cantava a última música para deixar o palco a PM subiu para encerrar o show”, lembra Pamella Gachido, empresária do artista, ao Leia Já. Ela aponta que, junto com a sua produtora, conseguiram convencer a polícia a não entrar no palco e que China viu toda a movimentação, mas preferiu resguardar o público e não falar nada. “Não entendemos por que a polícia queria intervir. Estávamos lá desde às 22h da noite trabalhando e deveríamos ser protegidos como todos”, lamentou.
Pelo visto, ou o governador perdeu o controle sobre a Polícia Militar ou é cúmplice de seus atos ditatoriais de censura, típico dos regimes autoritários.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Aliado de Arthur Lira, do Centrão, Marinaldo Rosendo é alvo de Operação da PF por desvios de recursos do SUS durante sua primeira gestão na Prefeitura de Timbaúba

Após dia de polêmica, Marília Arraes solta nota rebatendo acusações de traição, golpismo e aliança com a direita que lhe foram imputadas por colegas do PT

Lideranças e ex-presidentes defendem reeleição do Bruno Baptista à presidência da OAB/PE

Diretoria Antimáfia Italiana e Polícia Federal em Pernambuco prendem Italiano apontado como líder de rede de traficantes internacionais de drogas. O estrangeiro morava em Aldeia, na cidade pernambucana de Camaragibe

Priscila Krause afirma que João Campos manteve equipe administrativa da Secretaria de Saúde, alvo de sete operações da PF: “de fato ele confia na equipe”