Caso Beatriz: Polícia Civil de Pernambuco esclarece saída de mais uma delegada das investigações. Crime bárbaro chocou o Estado, mas segue, há 4 anos, sem solução

Beatriz foi brutalmente assassinada aos 7 anos de idade dentro da escola onde estudava. Cometido há mais de 4 anos, crime que chocou Pernambuco segue sem solução 

Segue sem solução o homicídio brutal da menina Beatriz Angélica,  morta aos 7 anos de idade, com 42 facadas, no interior de uma escola particular de classe média alta, na cidade de Petrolina, durante uma festa de formatura com a presença de centenas de pessoas.

Passados 4 anos do crime hediondo que chocou o Estado de Pernambuco, o inquérito já foi comandado por quatro delegados diferentes, dentre as quais, a hoje deputada Gleide Angelo.

Mais recentemente, a delegada Francisca Polyanna Neri também saiu da presidência das investigações e, segundo Nota da PCPR, sua saída se deu a pedido da profissional de segurança pública, que já foi substituída da presidência do Inquérito por outros dois delegados, sendo mantida a conduç das investigações, que correm em segredo de justiça, por uma Força Tarefa composta de 4 delegados. Leiam a nota da PCPE na íntegra:

NOTA À IMPRENSA

A Polícia Civil de Pernambuco esclarece que continua em tramitação o Inquérito Policial que apura o homicídio de que foi vítima a criança BEATRIZ ANGÉLICA MOTA, havendo total empenho na elucidação do crime, inclusive com composição de uma Força Tarefa integrada por quatro delegados designados para o caso, por determinação da Chefia de Polícia através da Portaria no 235/2019. 

Importante destacar que todas as autoridades policiais designadas para a Força Tarefa o foram por possuírem notável experiência no âmbito de investigações de crimes violentos contra a vida. 

A Delegada Francisca Polyanna Neri, conforme a mencionada portaria, integrou a referida Força Tarefa desde sua implementação, na qualidade de presidente do Inquérito Policial, atuando no caso com os outros três delegados. 

Ocorreu que, em fevereiro de 2020, a citada delegada, por sua própria iniciativa e de forma espontânea, requereu seu afastamento do caso, sendo, portanto, necessária a revogação daquela portaria e a consequente designação de outra autoridade policial para substituí-la. 

Diante disso, a Chefia de Polícia acatou o requerimento, e assim sobreveio a Portaria n. 051/2020, que mantém a conjunta de Força Tarefa composta por quatro delegados, agora designando os delegados Isabella Cabral Fonseca Pessoa e João Leonardo Freire Cavalcanti para prosseguir na presidência do Inquérito Policial.

Com relação à investigação propriamente dita, o trâmite segue sob o manto do segredo de justiça que não autoriza quaisquer divulgações.

Apesar dos desafios, a PCPE tem plena confiança que o caso será elucidado, trazendo justiça para os familiares e a sociedade.

Acesse nosso blog • blogdanoeliabrito@gmail.com Siga nossas páginas nas Redes Sociais • Instagram: blogdanoeliabrito • Facebook: @blogdanoeliabrito Fale conosco pelo WhatsApp • 81 9 86520333

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: PF faz buscas nas Prefeituras do Recife, Paulista, Cabo e Olinda contra corrupção na pandemia