FGV: Perfis sem claro alinhamento político-partidário dominam oposição a Bolsonaro



Por Sala de Democracia Digital | FGV DAPP

Desde o começo do mês, a base de apoio a Jair Bolsonaro vem perdendo espaço no debate geral do país sobre o coronavírus, conforme vem aumentando, igualmente, o volume de menções ao assunto no país e os componentes políticos, econômicos e sociais da pandemia.

Desde o início de março os grupos antibolsonaristas têm se mantido com maior volume de engajamento que as bases pró-Bolsonaro, mas sem se estender para além de 21% da discussão em nenhum período.

Isso se deve, sobretudo, à grande aglutinação de perfis sem claro ou contínuo alinhamento político-partidário, que foram um grande grupo intermediário amplamente dominante no debate e de oposição a Bolsonaro. Até 13 de março, esse grupo intrapolos agregava 54% das interações, chegou a 71,4% destas em 17 de março, quando esquerda e direita perderam participação, e nesta quarta-feira de panelaço agregou 59,1% das interações no Twitter.

Entre 02 e 12 de março, a base pró-governo federal, sob o eixo de impacto do perfil do Ministério da Saúde, reunia 12% das interações sobre o assunto no Twitter. No entanto, entre 13 de março e o fim da manhã 17 de março, com a rápida escalada da discussão no país (e o aumento da percepção crítica às ações de Bolsonaro), caiu a 6,5% a participação da base bolsonarista na rede, e novamente houve leve queda na análise do debate das 24h de 17 de março, às vésperas dos protestos agendados por grupos a favor e contra e o governo e após novos posicionamentos (criticados) do presidente: foi a 6,2% a atuação do grupo bolsonarista.

Já na quarta-feira, 18 de março, houve novo aumento leve de presença da base pró-Bolsonaro, mas longe de alcançar os níveis anteriores ao início efetivo do impacto direto da pandemia no país e no debate público na rede. Foi a 8,5%, em função do investimento de influenciadores e atores políticos a favor do governo em engajar hashtags e mensagens de apoio a Bolsonaro.

Também nesta quarta-feira a base alinhada a perfis e partidos de esquerda e de oposição regular a Bolsonaro aumentou participação no debate, chegando a 18,2% das interações, também por conta do "panelaço" contra o presidente.

Ação coordenada sustenta posição da direita durante panelaço

Durante o dia 18 de março, 398 contas do Twitter amplificaram conteúdo de defesa ao presidente Jair Bolsonaro de forma aparentemente coordenada. Estas contas publicaram as hashtags #PanelacoContraAEsquerda, #PanelacoProBolsonaro, #Respeitem57MilhoesDeEleitores e #RespeiteOPresidente e geraram 20.844 retuítes, representando 13.3% do volume de interações registrados no grupo de defesa do Presidente no dia de ontem.

A suspeita de ação coordenada se dá pela concentração de publicações contendo as hashtags mencionadas em um curto período de tempo. O grupo apresentou média de 52,4 publicações por dia. As contas mais ativas do grupo chegaram a apresentar mais de 300 publicações cada no período de 24 horas. Além disso, todas as publicações destas contas foram retuítes, nenhuma publicação original foi criada por este grupo e todo conteúdo conteve ao menos uma das hashtags mencionadas.

Além da ação possivelmente coordenada, contas com claros sinais de automatização geraram 1.904 retuítes no grupo de apoio ao governo (1.21%) das interações do grupo.

Na oposição, composta por 70.630 perfis, 1.219 apresentaram claros sinais de automatização e foram responsáveis por 0.62% das 190 mil interações registradas no grupo.

MAIS VISITADAS DO MÊS

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos