JUDAS E AS TORCIDAS ORGANIZADAS



Por Jethro Silva Júnior (*)
Especial para o Blog da Noelia Brito

O ano de 1990 iniciara-se há pouco. O delegado da cidade, recém-nomeado, é abordado pelo intrépido Geraldo Silva, repórter da Rádio Jornal de Garanhuns, estrela maior do mais ouvido programa policial da região, com uma pergunta: doutor, o senhor vai fazer uma portaria proibindo a *MALHAÇÃO DO JUDAS* ?

Por que Geraldo ? indaga surpreso o jovem policial na primeira delegacia que chefiava.

É que todo ano o delegado daqui “baixa” uma portaria proibindo a malhação do Judas, e eu a divulgo na rádio.

Geraldo, respondeu o delegado, eu não vou fazer isso por dois motivos, primeiro, porque acho que é uma manifestação folclórica que deve ser mantida, e em segundo lugar, porque não possuo efetivos e meios para coibir, se assim o desejasse, e a única coisa que conseguiria seria ficar desmoralizado. 

Lembrei-me dessa história esses dias, quando vi a euforia dos incautos que festejavam uma decisão judicial que “cancelava o CNPJ” de umas associações que se convencionou chamar de TORCIDAS ORGANIZADAS.

Quando essa notícia foi publicada, com alarde e até em mídias de alcance nacional, lembrei-me igualmente que desde o inicio do ano de 2013 essa mesma justiça já havia proibido que as tais torcidas organizadas tivessem acesso às praças esportivas de Pernambuco.

E o que aconteceu ? NADA, nadinha mesmo.

É certo que nas primeiras semanas após essa decisão a polícia fez de conta que fiscalizava a proibição, e os integrantes das tais torcidas colaboraram, usando camisetas de outras cores. Bem pouco depois, as partes pararam de fingir.

Se “cancelar o CNPJ” de alguma associação tivesse alguma serventia prática, no sentido de impedir algum ato, o MST – Movimento dos Sem Terra sequer existiria, pois CNPJ foi uma coisa que eles jamais tiveram.

Os acontecimentos do último sábado bem demonstram o quanto foi inócua a sentença que “cancelou o CNPJ” da Jovem e Inferno Coral,  que se enfrentaram à caminho do estádio de futebol e protagonizaram cenas típicas da MALHAÇÃO DO JUDAS.

Aliás, penso, “cancelar o CNPJ” das tais torcidas organizadas não contribui em nada, pelo contrário, só atrapalha, pois com CNPJ elas tem sede, contas bancárias, responsáveis conhecidos, etc., e podem ser facilmente localizadas, acionadas para ressarcimento de algum prejuízo, mas depois disso serão como a Linha do Equador, existirão mas ninguém vai ver.

Ou podem, se forem minimamente inteligentes, criarem novos CNPJs, a custo baixo, com o nome de Nova Jovem do Sport, Nova Fanáutico ou Nova Inferno Coral. Podem até aproveitar as camisetas que já estão confeccionadas e escrever o “nova” a caneta mesmo. E estarão dentro da lei, ninguém estará descumprindo decisão judicial e uma nova sentença de extinção do novo CNPJ poderá levar mais uns 7 anos.

Mas aí pode-se começar tudo novamente.

Enfrentar o problema de maneira seria inicia-se por investimentos que os CLUBES DE FUTEBOL não querem fazer, embora apressem-se em divulgar que estão interessados na solução do problema e apoiam todas as medidas estatais para combater a violência nas praças esportivas ou em razão delas.

O fato é que noticia-se a existência de mais de 800 “torcedores” que já estão proibidos de frequentar os estádios de futebol, por decisão judicial, mas como ninguém se encarregou desse controle, vocês já sabem né ?

Câmeras de reconhecimento facial e em todo o estádio, e ingressos vendidos com CPF do adquirente e com local marcado, como prevê o art. 22, incisos I e II, do Estatuto do Torcedor (Lei 10.671/2003), talvez não impedissem totalmente o acesso dos criminosos aos estádios, mas já seria uma boa barreira.

Jogos com portões fechados para clubes cujas torcidas se envolvessem em atos de vandalismo, mesmo que essas ações se realizassem fora dos estádios, também seria uma sanção que faria com que esses “torcedores” mais exacerbados pensassem duas vezes.

Ah, e tem a polícia. Sim, ela mesma. Não basta a polícia dispersar e/ou prender alguns gatos pingados quando dessas ações criminosas que só servem para o deleite da mídia, com notícias a encher todos os seus espaços por vários dias. Tem que empenhar efetivos e meios suficientes para prender todos. Isso mesmo, cercar e prender todos os envolvidos, e depois os apresentar à autoridade policial para os procedimentos apropriados. Afinal, quem não tem competência não se estabelece.

Ou então, é melhor fazer como aquele delegado de Garanhuns, e deixar que MALHEM O JUDAS.



(*) O autor é advogado criminalista há 20 anos e foi um dos protagonistas do diálogo narrado no início deste artigo.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: PF faz buscas nas Prefeituras do Recife, Paulista, Cabo e Olinda contra corrupção na pandemia