ACP pede medidas em favor do comércio pernambucano, diante da pandemia do novo coronavírus 


 A carta aberta segue para autoridades municipais, estaduais e federais.

Desde o dia 20 março, o comércio pernambuco se encontra de portas fechadas. O decreto, feito pelo governador Paulo Câmara, foi uma das principais medidas para evitar aglomeração e proliferação do novo coronavírus. Pensando nisso, por meio de uma carta aberta para os governantes do município, do Estado e da União, a Associação Comercial de Pernambuco (ACP) cobra olhares cautelosos para o comércio brasileiro, mais especificamente o pernambucano. 



De acordo com Luiz Alberto Carneiro, presidente da ACP, o documento reforça facilitação do financiamento das linhas de créditos emergenciais, disponibilizada durante a crise mundial. “Embora tenha se disponibilizado recursos para as pequenas e grandes empresas, os créditos não estão sendo realizados, por burocracia. Pedimos para o governo flexibilização do financiamento, evitando o escasseamento social comercial”, afirmou o presidente. 

Ainda no documento, a associação cobra um plano gradual e seguro com redobradas ações higiênicas, a liberação, gradualmente, das atividades econômicas, diante das limitações sancionadas para as empresas de pequeno e grande porte. “ACP sempre é a favor do equilíbrio. A gente tem todo cuidado em relação a questão da vida e das medidas protetivas de saúde. Nossa colocação foi cautelosa, mas criteriosa”, finalizou o presidente.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos