ACP pede medidas em favor do comércio pernambucano, diante da pandemia do novo coronavírus 


 A carta aberta segue para autoridades municipais, estaduais e federais.

Desde o dia 20 março, o comércio pernambuco se encontra de portas fechadas. O decreto, feito pelo governador Paulo Câmara, foi uma das principais medidas para evitar aglomeração e proliferação do novo coronavírus. Pensando nisso, por meio de uma carta aberta para os governantes do município, do Estado e da União, a Associação Comercial de Pernambuco (ACP) cobra olhares cautelosos para o comércio brasileiro, mais especificamente o pernambucano. 



De acordo com Luiz Alberto Carneiro, presidente da ACP, o documento reforça facilitação do financiamento das linhas de créditos emergenciais, disponibilizada durante a crise mundial. “Embora tenha se disponibilizado recursos para as pequenas e grandes empresas, os créditos não estão sendo realizados, por burocracia. Pedimos para o governo flexibilização do financiamento, evitando o escasseamento social comercial”, afirmou o presidente. 

Ainda no documento, a associação cobra um plano gradual e seguro com redobradas ações higiênicas, a liberação, gradualmente, das atividades econômicas, diante das limitações sancionadas para as empresas de pequeno e grande porte. “ACP sempre é a favor do equilíbrio. A gente tem todo cuidado em relação a questão da vida e das medidas protetivas de saúde. Nossa colocação foi cautelosa, mas criteriosa”, finalizou o presidente.

MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia