Delegados da cúpula da PF comemoram decisão de Alexandre de Moraes


A avaliação é que, mesmo na instabilidade política, instituição se fortalece com a defesa do princípio da impessoalidade quebrada na nomeação de Ramagem

Por Matheus Leitão, Veja

Delegados da cúpula da Polícia Federal comemoraram a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender a nomeação do policial Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da corporação.

Na avaliação desses policiais, o contexto político atual, após as graves denúncias do ex-ministro da Justiça Sergio Moro sobre a suposta tentativa de intervenção do presidente Jair Bolsonaro na PF, gerou uma crise de confiança em relação ao nome de Ramagem.

“O contexto político que vivemos gerou essa instabilidade que coloca a instituição em passos lentos. Mas a instituição policial funciona em velocidade alta”, completou à coluna um delegado da PF da alta cúpula do órgão.

Segundo outro delegado, mesmo que a força e independência institucional da PF estejam fortalecidas pela maneira como se deu a demissão de Maurício Valeixo, com os que saíram deixando claro que o diretor não pode ser o chefe de uma polícia de família, ainda assim há preocupação com a necessidade de frear o que definiu como “arroubos do presidente”

MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia