Antônio Campos cobra coerência de Danilo Cabral: "A questão da merenda escolar de há muito virou caso de policia e nunca se viu nenhum comentário do nobre deputado a respeito"


Nota 

A atitude do deputado Danilo Cabral em pedir processo de impedimento do Ministro da Educação Abraham Weintraub perante a Câmara dos Deputados, em matéria que não caracteriza improbidade administrativa ou quebra de decoro e já explicada pelo Ministro, de cunho nitidamente político, deveria se repetir, por coerência, no Estado de Pernambuco, quanto às denúncias de reiterados problemas na aquisição e distribuição de merenda escolar e de kit escolar, por parte do Governo do Estado e da Prefeitura do Recife, cobrando explicações no seu Estado. 

Parece que o ilustre deputado só olha para o "quintal do vizinho" e não toma conta do seu próprio Estado. São conhecidas e merecem explicações as recentes cautelares a pedido do Ministério Público de Contas do Estado de Pernambuco quanto ao kit escolar e ao programa "ganhe o mundo". A questão da merenda escolar de há muito virou caso de policia e nunca se viu nenhum comentário do nobre deputado a respeito. É preciso ter coerência para ter legitimidade moral para tal grave expediente. 

Pernambuco e Recife, 07 de abril de 2020. 

Antônio Campos
 Advogado e escritor


MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia