Polícia Civil do RJ prende suspeitos de movimentar R$ 191 milhões da milícia desde 2016

Cadu do Gás preso — Foto: Reprodução/TV Globo


Por Henrique Coelho e Marco Antônio Martins, G1 
Rio

A Polícia Civil do RJ prendeu nesta terça-feira (28) quatro suspeitos de lavagem de dinheiro da milícia na Baixada Fluminense.

Segundo as investigações que levaram à Operação Pax Romana, o esquema envolve revendedoras de botijão de gás e movimentou R$ 191 milhões desde 2016.

Carlos Roberto da Silva Rocha, o Cadu do Gás, apontado como principal suspeito de movimentar o dinheiro, é um dos presos. Ele chegou com máscara -- fornecida pela equipe que o deteve -- às 8h à Cidade da Polícia.

Um suspeito está foragido. Equipes cumprem ainda 68 mandados de busca e apreensão.

A chefe do Departamento de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro, delegada Patrícia Alemany, deu detalhes da investigação ao Bom Dia Rio.

“Essa investigação tem objetivo de quebrar financeiramente uma organização criminosa que atua na Baixada. Começamos com relatórios de inteligência financeira. A gente já percebeu que tem ligação com a milícia, eles usam empresas de fachada para lavar esse dinheiro”, disse ela.

Além da movimentação financeira de Cadu do Gás, chamou a atenção a evolução patrimonial do suspeito preso nesta terça-feira.

“Um dos cabeças da quadrilha era, há 10 anos, apenas um entregador de gás. Hoje o patrimônio dele é estimado em R$ 15 milhões”.


MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia