"Ações provam que a PF não pertence a nenhum governo é do Brasil", afirma Jorge Lemos, ex-delegado da Polícia Federal


Os políticos, dos dois lados, insistem na tese de que podem controlar a PF Agência Brasil/Agência Brasil


Por Jorge Lemos, para a Veja*


Um dia a Polícia Federal faz buscas nas residências de um governador adversário do presidente da República, cumprindo mandados expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça. Exatas vinte quatro horas depois, a mesma Polícia Federal cumpre ordens de busca em desfavor de deputados federais e empresários apoiadores do presidente, em cumprimento a determinação do Supremo Tribunal Federal.


Por si só, essas duas ações da Polícia Federal já poderiam suscitar ao menos uma conclusão óbvia: a PF é um órgão de Estado, que não tem lado, que não se presta a atuar a favor nem contra ninguém, e cujas investigações se focam em fatos, não em pessoas.


Mas os políticos, dos dois lados, insistem na tese de que podem controlar a PF e, infelizmente, de que a PF pode ser controlada ou sofrer influência de seus adversários, quando esta age de forma contrária aos seus interesses.


Efetivamente não há Cristo que os faça entender a diferença entre órgão de governo e órgão de Estado. E não somente a Polícia Federal, como o Ministério Público, a Receita Federal, as Forças Armadas, o Itamaraty, etc.


Tanto os políticos, como a sociedade que já acompanha e se contamina com o deletério Fla x Flu ideológico em que foi transformado o cenário político brasileiro, parecem esquecer – de forma conveniente e seletiva – de que a Polícia Federal, durante cinco anos ininterruptos e consecutivos, investigou e atingiu com centenas (talvez milhares) de prisões e buscas, incontáveis empresários, parceiros, colaboradores e parlamentares que apoiavam o Governo Dilma Rousseff, durante os seus dois governos, pelos mesmos cinco anos.


E, como se não bastasse esse registro tão recente, que a mesma Polícia Federal, sob o Governo Temer, conduziu por dois anos, o lapso exato do mandato que este presidiu o país, inquéritos e ações policiais que não somente o fustigaram no poder, como o levaram à prisão quarenta dias após deixar o Planalto.


Para completar o festival de equívocos e de escorregadas, Bolsonaro disse hoje, referindo-se às operações que alvejaram o governador do Rio, que, enquanto ele for presidente, “vai ter mais”.


Essas declarações só servem para desinformar e contagiar a opinião pública e, também, para mostrar que o presidente definitivamente acredita que pode interferir na polícia judiciária da União. É difícil acreditar que depois de vinte e sete anos como deputado federal, uma pessoa ainda não saiba diferenciar Estado de governo.




Toda a reputação que a Polícia Federal conquistou, com o sacrifício de seus agentes e delegados, em décadas de trabalho e de amadurecimento profissional, corre o risco de ir para o ralo, por conta da desonestidade intelectual dos políticos e da irresponsabilidade das suas tropas de choque.

Por derradeiro, apesar de todo o desatino, a PF seguirá investigando e atuando, seja lá quem for o inquilino temporário do Palácio do Planalto, porque a Polícia Federal não é deste nem de nenhum outro governo. A Polícia Federal é do Brasil.

* Jorge Pontes foi delegado da Polícia Federal e é formado pela FBI National Academy. Foi membro eleito do Comitê Executivo da Interpol em Lyon, França, e é co-autor do livro Crime.Gov - Quando Corrupção e Governo se Misturam.



MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito