Bolsonaro começou a reclamar da nomeação da Superintendente da PF em Pernambuco em março, revela Moro em depoimento

Em um dos trechos do depoimento de dez páginas prestado à Polícia Federal, no último sábado, Sergio Moro contou que o presidente Jair Bolsonaro começou a reclamar da indicação da Superintendente da PF em Pernambuco, em março. Moro ainda afirmou que o nome da delegada Carla Patrícia, a exemplo dos demais, foi apresentado ã Casa Civil que não apresentou nenhuma objeção a esse nome. Sobre os motivos das reclamações de Bolsonaro quanto à nomeação da pernambucana, Moro disse que isso deveria ser perguntado ao próprio Bolsonaro.

São de Pernambuco, o líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho, alvo de várias operações da Polícia Federal e o presidente do PSL, ex- aliado de Bolsonaro e hoje um de seus principais inimigos na política.

Por sua assessoria, a Polícia Federal em Pernambuco disse que o órgão não vai se pronunciar sobre o depoimento do ex-ministro.

Moro ainda revelou que a exemplo de seus antecessores, informava o presidente sobre operações da Polícia Federal, após o cumprimento dos mandados, o que ocorreu quando houve operação contra o líder do governo no Senado e contra o ministro do Turismo, mas que nenhuma dad informações eram sigilosas.


"Que certa feita, provavelmente, no mês de março o PR passou a reclamar da indicação da Superintendente de Pernambuco; 

QUE essas reclamações sobre o superintendente no Estado de Pernambuco não ocorreram anteriormente;

QUE entende que os motivos da reclamação devem ser indagados ao Presidente da República; 

QUE é oportuno destacar que as indicações para Superintendentes vêm da Direção Geral, mas passam pelo crivo da Casa Civil e que não houve nenhum óbice apontado em relação a esses nomes; 

QUE o Presidente não interferiu, ou interferia, ou solicitava mudanças em chefias de outras Secretarias ou órgãos vinculados ao Ministério da Justiça, como, por exemplo, a Polícia Rodoviária Federal, DEPEN, Força Nacional; 

QUE o presidente, apenas uma vez, solicitou a revogação da nomeação de Ilona Szabo para o Conselho Nacional de Política Criminal do Ministério da Justiça, órgão consultivo, e que o Declarante, após relutar, concordou em aceitar a solicitação;

QUE o Declarante perguntado se as trocas solicitadas estavam relacionadas à deflagração de operações policiais contra pessoas próximas ao Presidente ou ao seu grupo político disse que desconhece, mas observa que não tinha acesso às investigações enquanto ainda evoluíam;

QUE crescendo as pressões para as substituições, o Presidente lhe relatou verbalmente no Palácio do Planalto que precisava de pessoas de sua confiança, para que pudesse interagir, telefonar e obter relatórios de inteligência;"

"QUE o Declarante, em relação ao trabalho da Polícia Federal, informava as ações realizadas, resguardado o sigilo das investigações;

QUE o Declarante, por exemplo, fazia como ministros do passado e comunicava operações sensíveis da Polícia Federal, após a deflagração das operações com buscas e prisões;

QUE o Declarnte fez isso inúmeras vezes e há mensagens de Whatsapp a esse respeito ora disponibilizadas;

QUE ilustrativamente, isso aconteceu após as buscas e prisões envolvendo o atual Ministro do Turismo e o Senador Fernando Bezerra, mas que essas informações não abrangiam dados sigilosos dos inquéritos;

QUE pontualmente comunicou essas operações antecipadamente, em casos sensíveis e que demandavam um apoio do presidente, como na expulsão do integrnte do PCC, vulgo "FUMINHO" de Moçambique;"

MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Mapa da Vergonha: Pernambuco é o Estado com o maior número de irregularidades investigadas na pandemia, aponta documento da Polícia Federal

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos