Em depoimento de mais de 8 horas, Moro, delegados e procuradores comem pizza enquanto ex-ministro reitera acusações e entrega novas provas contra Bolsonaro



Moro ao chegar na PF, acompanhado do advogado Rodrigo Rios e de agentes da polícia, que fazem sua segurança Foto: Eduardo Matzyak / Futura Press

Em mais de oito horas de depoimento, o ex-ministro da Justiça Sergio Moro reiterou acusações e entregou novas provas contra o presidente Jair Bolsonaro sobre sua atuação para intervir diretamente na Polícia Federal para blindar familiares e aliados e perseguir desafetos.

Moro entregou o celular para perícia e gravações de conversas, inclusive com funcionários que autorizaram a entrega, além de áudios de WhatsApp com Bolsonaro e com outras pessoas que levavam recados do Bolsonaro para o ex-ministro.

Motoqueiro levou pizza para o depoente,
delegados e procuradores
Foto: Eduardo Matysiak / Futura Press
Durante todobo tempo depoimento só foram realizadas duas pausas para idad ao banheiro e para comer as pizzas pedidas pelos delegados que conduziram a oitiva.


Além de Moro e de seu advogado, Rodrigo Rios, estavam na sala três procuradores, um escrivão e a delegada Cristiane Corrêa, chefe do Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq), que investiga pessoas com foro privilegiado, entre outros delegados.

Moro depôs na superintendência da PF, em Curitiba, no inquérito que investiga as acusações de interferência de Bolsonaro no órgão que fez contra presidente Jair Bolsonaro ao pedir demissão de seu governo.

MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia