Extrema direita em Pernambuco em pé de guerra! Coronel Meira e Gilson Neto trocam acusações por meio de "notas"



Os dois principais nomes do bolsonarismo, em Pernambuco, Coronel Meira e Gilson Machado Neto, entraram em rota de colisão, numa disputa pelo comando do Partido Aliança Pelo Brasil, ainda em fase de fundação. O "racha" foi revelado, em primeira mão, pelo Portal de Prefeitura.

O Coronel Meira, que é candidato a vereador do Recife, sentiu-se desprestigiado com a presença do advogado Oswaldo Matos Neto, que é filho do principal assessor de Gilson Neto, na EMBRATUR, o publicitário Oswaldo Matos, numa live do Aliança e de ter sido alijado, por determinação de Gilson Neto, do comando do Partido, em Pernambuco. Gilson Neto nega tanto a preferência pelo filho de seu assessor, na disputa de uma vaga na Câmara do Recife, quanto a ordem para exclusão de Meira do comando do Aliança.

A militância fiel a Meira foi ao ataque em comentários na tal "live", comentários estes que Gilson Neto classificou como  "passíveis de processo" e "assassinato de reputação". Incomodado com os ataques, Gilson Neto divulgou uma extensa nota em que destaca sua amizade com Bolsonaro, desde 2003, ao passo que Meira só teria se juntado ao grupo bolsonarista em 2017.

Após elogiar Meira e dizer que fez parte ativamente da sua campanha ao Governo de Pernambuco e depois para deputado federal e de agradecer a ele, Meira e às pessoas levadas pelo coronel reformado da PM, para o projeto bolsonarista, Gilson Machado revela que "nem todo trabalho foi voluntário ou pelo patriotismo": "Em vários momentos tive que arcar por despesas de trabalhos que inicialmente achei que seriam espontâneos. Não que eu esteja aqui cobrando voluntariado, mas é preciso esclarecer os fatos. Da mesma forma, quero salientar que tenho guardados todos os depósitos efetuados e comprovantes, também viabilizei os trios elétricos de todos os nossos eventos, arquei sozinho com estúdio para gravar música, arrumei patrocinador para bancar os custos com o Centro de Convenções, cedi minha banda e o som e arquei com a grande maioria das despesas para trazer o nome de Bolsonaro e do Aliança até aqui. Além do nosso comitê e outdoors, tudo sob nossa articulação.  Isso não é exibicionismo, é esclarecimento! E a quem possa interessar, tenho os recibos e muitas testemunhas", revelou o presidente da EMBRATUR.
 
Sobre a "live", Machado diz que nunca pediu ao Comitê Nacional do Aliança Pelo Brasil que incluísse na “live” o nome de Osvaldo Neto e que ficou "sabendo da participação dele após um telefonema do Meira, que questionava a exibição do advogado pernambucano na propaganda e sugeria que o mesmo fosse substituído" pelo próprio Gilson, que teria atendido o pedido de Meira.

"Mas pra minha surpresa, revendo a gravação, observei de forma atônito, que um grupo de pessoas, desagregadoras, durante toda 'live', me atacou covardemente, inclusive atacando a minha honra e fazendo acusações levianas e passiveis de processo. Peço que assistam a live e tirem suas conclusões. Tentaram realmente fazer um assassinato da minha reputação."

"Prints" de tela obtidos pelo Portal de Prefeitura mostram mensagens na "live" comparando Gilson Neto à deputada Joice Hasselmann, que é uma espécie de ex-bolsonarista arrependida e que depois de romper com a família Bolsonaro, passou a ser chamada de traidora, além de outros predicativos produzidos pela chamada "milícia virtual" bolsonarista:




Foto: Reprodução


A reação de Meira veio, em seguida, também por nota em que acusa Gilson Neto de "deformar a verdade" e de se negar a assinar atas de atividades partidárias, por estar em dia útil e em horário de expediente, quando deveria estar na EMBRATUR, em Brasília, além de acusá-lo de se esquivar de arcar com despesas que acabaram, segundo Meira, bancados pelo Coronel: "
Fomos pegos de surpresa, mesmo tendo sido inúmeras vezes advertidos de que humildade, reconhecimento e gratidão são virtudes desconhecidas por Gilson, mesmo assim, o Coronel Meira não merecia essa punhalada pelas costas, mas o tempo é o senhor da razão", desabafa.

Meira segue no ataque: "Pernambuco é o campeão de arrecadação de fichas de apoiamento no Nordeste. Mas infelizmente, um grupo sem capacidade de realização, mas sedentos por poder, resolveram, em um único dia, arrancar suas máscaras e mostrar suas verdadeiras faces."

E prossegue: "Logo no começo da manhã da última quarta-feira 13 de maio, fomos surpreendidos com o telefonema do Sr Edson Romão, gestor nacional da fase de implantação do sistema, informando a substituição do gestor da plataforma Aliança por Pernambuco a pedido do Sr Gilson Machado, ainda sem nenhum comunicado prévio durante a manhã, recebemos a ligação do advogado voluntário que cuidava dos interesses do partido em formação, nos informando que havia recebido ligação de um assessor de Gilson, nessa ligação o interlocutor solicitava, a pedido do seu chefe, toda a documentação referente ao partido que estivesse em seu poder, logo na sequência, começou a circular em grupos de Whatsapp um banner de uma live do time Aliança e para nossa surpresa estava lá representando Pernambuco um rosto totalmente desconhecido, de um jovem que nunca deu um dia de serviço para o Aliança, que sabemos bem quem está por trás dessa cortina, indicando o destino ao qual estará fadado o Aliança Pelo Brasil em Pernambuco daqui pra frente."

O coronel ainda deu publicidade à cópia de um contrato de locação de computadores, para comprovar que teria sido ele e não Gilson Machado quem custeou despesas com a fundação do Aliança e desafiou Gilson Neto a fazer o mesmo:




Leiam as duas notas, na íntegra:

NOTA DE GILSON MACHADO NETO

"Patriotas, Boa Tarde!
Gostaria de aproveitar este momento para uma reflexão: unidos somos imbatíveis, separados já somos vencidos.
Dito isso quero aqui esclarecer alguns fatos. Acompanho o presidente Bolsonaro, desde o ano de  2003, quando ele nem sonhava disputar a presidência da república. Sou seu aliado, seu eleitor, seu soldado, mas antes de tudo, sou seu amigo. E amizade pra mim é algo sagrado. Porque define todas essas outras palavras e mais uma: lealdade.
Em 2014 comecei lentamente a juntar um pequeno número de pessoas para ajudar na empreitada do meu amigo Bolsonaro de disputar uma campanha presidencial.
Em 2017 foi inserido a este grupo o Coronel Meira,na época por sugestão do Sr Marcos Amaral.
Uma pessoa que há muito tempo tenho na conta de amigo. Juntos enfrentamos diversas batalhas, umas perdemos e outras vencemos.  Fiz parte ativamente da sua campanha a Governo e depois deputado federal, que infelizmente não foi vitoriosa. Recentemente convidamos ele para integrar o grupo que formaria em Pernambuco o grupo de trabalho do Aliança pelo Brasil.
E quero aqui, publicamente agradecer a ele e as pessoas que ele trouxe, pelo trabalho desenvolvido até agora.
Mas preciso esclarecer, que nem todo trabalho foi voluntário ou pelo patriotismo.
Em vários momentos tive que arcar por despesas de trabalhos que inicialmente achei que seriam espontâneos.
Não que eu esteja aqui cobrando voluntariado, mas é preciso esclarecer os fatos.
Da mesma forma,quero salientar que tenho guardados todos os depósitos efetuados e comprovantes,também viabilizei os trios elétricos de todos os nossos eventos,arquei sozinho com estúdio para gravar música, arrumei patrocinador para bancar os custos com o Centro de Convenções, cedi minha banda e o som e arquei com a grande maioria das despesas para trazer o nome de Bolsonaro e do Aliança até aqui.
Além do nosso comitê e outdoors,tudo sob nossa articulação .
Isso não é exibicionismo, é esclarecimento! E a quem possa interessar, tenho os recibos e muitas testemunhas.
Outro fato é que nunca tirei o Coronel Meira da coordenação do Aliança, justamente por que a ninguém foi dada essa função.
Somos todos voluntários, sem distinção.
Uns se dedicando mais e outros menos, dependendo da sua disponibilidade.
Os trabalhos do Aliança foram suspensos devido ao isolamento social e agora ainda mais com o lockdown. Porém, ninguém, em nenhum momento, recebeu de mim um pedido de afastamento do trabalho voluntário.  Pra encerrar, eu nunca pedi ao Comitê Nacional do Aliança Pelo Brasil que incluísse na 'live' de ontem, dia 13, o nome do jovem advogado Osvaldo Neto. Fiquei sabendo da participação dele após um telefonema do Meira, que questionava a exibição do advogado pernambucano na propaganda e sugeria que o mesmo fosse substituído por mim. Prontamente entrei em contato com o Sérgio Lima, responsável pela produção da 'live' que atendeu ao meu pedido acatando a sugestão do Meira. Ao final da minha participação, agradeci aos parceiros pernambucanos, incluindo aí o nome do Coronel Meira. Mas pra minha surpresa, revendo a gravação, observei de forma atônito, que um grupo de pessoas, desagregadoras, durante toda 'live', me atacou covardemente, inclusive atacando a minha honra e fazendo acusações levianas e passiveis de processo.
Peço que assistam a live e tirem suas conclusões. Tentaram realmente fazer um assassinato da minha reputação.
Não é assim que se faz política."

NOTA DO CORONEL MEIRA

"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
Após ler a nota escrita e publicada em grupos de Whatsapp por Gilson Machado Neto, na condição de financeiro dos eventos e gestor da plataforma do Sistema de apoiamento a partidos em formação do Aliança Pelo Brasil em Pernambuco até 13 de maio de 2020, diante do conteúdo veiculado, eu, como parte integrante dessa estrutura me senti no dever moral de fazer uma exposição de fatos, todos documentados, a fim de restabelecer tão somente a VERDADE.

O Sr Gilson Machado construiu um belo texto porém, omitiu uma série de informações, deformando a verdade para dar forma a “sua” narrativa;
Em seu texto onde diz 'Em vários momentos tive que arcar por despesas de trabalhos que inicialmente achei que seriam espontâneos' ele falta com a verdade, a despesa a qual ele tentou de várias formas se esquivar consta no item 5 da ata de reunião onde o mesmo participou, juntamente com um grupo com outras sete testemunhas e somente não assinou a ata alegando estar em dia útil e horário de expediente, conforme imagem em anexo.
Ainda recaiu para o Coronel Meira custear do próprio bolso uma série de compromissos ora delegados por Gilson a terceiros, que fugiram a suas responsabilidades assumidas em reunião, a exemplo dos computadores (item 6) que nunca chegaram, bem como do pagamento semanal da ajuda de custo dos 04 prestadores de serviço, tivemos que locar Notebooks para o serviço andar, conforme nota em anexo.
Ainda dentro desta exposição de fatos, preciso deixar aqui registrado que sempre trabalhamos de forma voluntária, sem jamais ter recebido um centavo de quem quer que seja, nem mesmo do Sr Gilson Machado. Outras informações que precisam ser trazidas ao conhecimento de todos os que possam interessar; A primeira reunião do Aliança Pelo Brasil realizada em Recife, no hotel jangadeiro, foi 100% custeada pelo Coronel Meira, já a 2° reunião, que ocorreu no centro de convenções, essa aconteceu e ganhou repercussão nacional devido principalmente ao apoio dos empresários simpáticos à causa do Aliança e a força tarefa montada pelos apoiadores do instituto Dom Pedro II, o qual é presidido pelo Coronel Meira, que graças a essa equipe, foi possível também rodar o estado inteiro, com recursos próprios, montando eventos de apoiamento, conclamando o povo nas rádios a aderir ao projeto do Aliança Pelo Brasil e eis o resultado do nosso trabalho; Pernambuco é o campeão de arrecadação de fichas de apoiamento no Nordeste. Mas infelizmente, um grupo sem capacidade de realização, mas sedentos por poder, resolveram, em um único dia, arrancar suas máscaras e mostrar suas verdadeiras faces.
Logo no começo da manhã da última quarta-feira 13 de maio, fomos surpreendidos com o telefonema do Sr Edson Romão, gestor nacional da fase de implantação do sistema, informando a substituição do gestor da plataforma Aliança por Pernambuco a pedido do Sr Gilson Machado, ainda sem nenhum comunicado prévio durante a manhã, recebemos a ligação do advogado voluntário que cuidava dos interesses do partido em formação, nos informando que havia recebido ligação de um assessor de Gilson, nessa ligação o interlocutor solicitava, a pedido do seu chefe, toda a documentação referente ao partido que estivesse em seu poder, logo na sequência, começou a circular em grupos de Whatsapp um banner de uma live do time Aliança e para nossa surpresa estava lá representando Pernambuco um rosto totalmente desconhecido, de um jovem que nunca deu um dia de serviço para o Aliança, que sabemos bem quem está por trás dessa cortina, indicando o destino ao qual estará fadado o Aliança Pelo Brasil em Pernambuco daqui pra frente.
Fomos pegos de surpresa, mesmo tendo sido inúmeras vezes advertidos de que humildade, reconhecimento e gratidão são virtudes desconhecidas por Gilson, mesmo assim, o Coronel Meira não merecia essa punhalada pelas costas, mas o tempo é o senhor da razão.
Por fim, seria de bom alvitre que você Gilson, apresentasse as notas que afirma possuir para dar o devido lastro as suas afirmativas, pois caso não as tenha, temos a prestação de contas de todos os eventos devidamente planilhadas e acompanhadas das respectivas notas e comprovantes de pagamentos, para trazer luz a essa questão, caso se faça necessário.
'Nekan, adonai !!! Chol-begoal!!!'”


MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia