Governo de Pernambuco comprou hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19. Hospital Português exclui medicamento do protocolo para a doença


Vários áudios que circulam em grupos de WhatsAPP, atribuídos a médicos que atuariam na linha de frente do combate à pandemia de Covid-19, na rede pública de Pernambuco, queixando-se da falta de oferta, nessa rede, de medicamentos que estariam sendo utilizados pela rede privada, a exemplo do polêmico Sulfato de Hidroxicloroquina, da Ivermectina e da Azitromicina, fizeram surgir acusações, oriundas da oposição bolsonarista ao governador Paulo Câmara, de que este estaria politizando o combate à pandemia ao não adquirir o Sulfato de Hidroxicloroquina por este ser "receitado" pelo presidente Bolsonaro. 

A polêmica, em si, já beira o absurdo, já que não cabe ao presidente, que não é médico, sair por aí recomendando este ou aquele medicamento, da mesma forma que não cabe ao governador vetar eventual prescrição, porque também não é médico. Em nota, ontem, o governador, que testou positivo para o vírus, afirmou que quanto à Cloroquina e hidroxicloroquina, o Governo de Pernambuco segue as recomendações do próprio Ministério da Saúde que recomenda o uso do medicamento apenas em casos graves da doença

Apesar da polêmica criada pela oposição, a verdade é que a Secretaria de Saúde de Pernambuco comprou a medicação hidroxicloroquina para disponibilizá-la na rede pública.

A compra foi de 86.400 comprimidos de 400mg, ao custo unitário de R$ 1,17, totalizando R$ 100.656,00 à empresa UNI HOSPITALAR, "para atender toda a rede pública de saúde de Pernambuco". O empenho pode ser consultado no Portal da Transparência de Pernambuco, onde estão listadas todas as compras COVID-19.

Além do hidroxicloroquina, a Secretaria de Saúde também adquiriu Azitromicina. Não conseguimos, porém, localizar compras da Ivermecina.

Na manhã de ontem, solicitamos, por e-mail, à assessoria da SES que confirmasse as compras desses medicamentos e que nos informasse quais os medicamentos que estão sendo ministrados aos pacientes da rede pública de Pernambuco, mas até a publicação desta matéria, aquela secretaria não havia nos respondido.

A polêmica foi reforçada pela divulgação de que hospitais particulares, a exemplo do Hospital Real Português e da Unimed teriam adotado protocolos com a inclusão da hidroxicloroquina para pacientes com Covid-19, mesmo no início da doença.

Entretanto, o Hospital Real Português, em novo Protocolo divulgado ontem, 18, em que aponta o uso do antiviral Tamiflu, aliado a Azitromicina e a anticoagulantes, como protocolo para tratar a doença, decidiu excluir a Hidroxicloroquina do tratamento: "Diante dos novos artigos publicados em conceituados periódicos médicos, e seguindo as orientações de instituições que regem as condutas mais atuais das doenças infecciosas no Brasil e no mundo, como Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o Conters of Disease Control and Prevention (CDC), National Institutes of Health - USA (NH) e Infectious Disease Society of América (IDSA) não recomendamos a utilização da hidroxicloroquina para tratamento de Covid/19." Leia o Protocolo completo ao final da matéria.

Já Planos de Saúde, como a Unimed Fortaleza, divulgaram que distribuirão Cloroquina e Ivermectina, a cada um dos usuários do Plano que apresentar receita médica.

Parecer científico divulgado, ontem, pela Sociedade Brasileira de Infectologia chama de "precoce" a utilização da hidroxicloroquina e cloroquina contr  Covid-19: "Baseados nas evidências atuais que avaliaram a utilização da hidroxicloroquina para a terapêutica da COVID-19, a Sociedade Brasileira de Imunologia conclui que ainda é precoce a recomendação de uso deste medicamento na COVID-19, visto que diferentes estudos mostram não haver benefícios para os pacientes que utilizaram hidroxicloroquina. Além disto, trata-se de um medicamento com efeitos adversos graves que devem ser levados em consideração. Desta forma, a SBI fortemente recomenda que sejam aguardados os resultados dos estudos randomizados multicêntricos em andamento, incluindo o estudo coordenado pela OMS, para obter uma melhor conclusão quanto à real eficácia da hidroxicloroquina e suas associações para o tratamento da COVID-19."

316669-4 - HIDROXICLOROQUINA, SULFATO - CONCENTRACAO/DOSAGEM 400 MG,FORMA FARMACEUTICA COMPRIMIDO,VIA DE ADMINISTRACAO ORALUNIDADE07484373000124 - UNI HOSPITALAR LTDA86.400,001,17100.656,00
Item de gasto da despesa
33903206 - MEDICAMENTOS
Ação
3126 - AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS E INSUMOS FARMACÊUTICOS
Unidade Gestora
530401 - FES-PE
Número do Empenho
2020NE004167
Observação do Empenho
SEI: 2300000386.000112/2020-11, MEMO DGAF 075/20, PROC.1641/18, PE.0674/18-DATA/ASSINAT.24/11/19, MEDICAMENTOS PADRONIZADOS A FIM DE ATENDER TODA A REDE PUBLICA ESTADUAL DE SAUDE DE PERNAMBUCO
Fonte de Recurso
0116 - RECURSOS DO FUNDO ESTADUAL DE COMBATE E ERRADICAÇÃO DA POBREZA - FECEP
Despesa gerencial
8279 - EXECUTIVA - CORONAVÍRUS (COVID-19)






 

MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia