Justiça Federal decide não prorrogar a prisão temporária dos presos pela Operação Outline

Padrinho de Shebna e de Silvano, Sebastião Oliveira também foi alvo da Operação 


O Juiz da 13. Vara Federal, Cesar Artur, decidou não prorrogar a prisão temporária dos presos pela Operação Outline, da Polícia Federal, Shebna Machado e Silvano Queiroga.

Os dois, que eram secretários executivos da Prefeitura do Recife, foram exonerados, a pedido, no último dia 12, conforme noticiamos mais cedo.

A Justiça, porém, manteve a determinação para que Shebna Machado não mantivesse qualquer contato com outros investigados enquanto não prestar depoimento à autoridade policial, já que seu depoimento foi adiado por haver suspeita de que estivesse com Covid-19, hipótese que foi descartada, por meio de exame que testou negativo.

A Operação Outiline investiga uma organização criminosa suspeita de desviar 4 milhões de reais de uma obra na BR 101, em Pernambuco, orçada em 191 milhões de reais, ao tempo em que os investigados exerciam cargos de direção no DER, órgão vinvulado à Secretaria de Transportes, na época comandada pelo padrinho político de Schebna e Silvano, o deputado federal Sebastião Oliveira, que também é investigado e foi alvo de buscas e apreensões na mesma Operação.

MAIS VISITADAS DO MÊS

São dois, os Secretários de Geraldo Julio, presos pela Polícia Federal, ontem, por desvios em obra da BR 101, ambos indicados por Sebastião Oliveira

Mãe "rica" da "Beira Mar" reclama de escola cearense que coloca seus filhos em aulas on line com crianças de "outro nível". Escola emite nota lamentando discriminação

Com Covid19, Sikêra Jr. chora ao vivo e alerta: "não façam como eu fiz. Não subestimem a doença"

Exclusivo: Deputado Sebastião Oliveira, de Pernambuco foi alvo de buscas e apreensões da PF na Operação Outline. Dois ex-servidores do DER foram presos na manhã de hoje

Com salário líquido de R$ 7,9 mil, Secretário de Geraldo Júlio, preso pela PF por desvios no DER, confessa prática de agiotagem e posse de R$ 1,4 milhão em dinheiro. Prefeitura silencia