Representante da Juvanete revelou ter sido subordinado do Secretário de Saúde do Recife, a quem teria oferecido os respiradores



Na Representação do Delegado da Polícia Federal Daniel Silvestre, da Delegacia de Combate à Corrupção e aos Crimes Financeiros, encaminhada à Juíza Carolina Malta, da 36ª Vara Federal e que resultou na deflagração da Operação Apneia II, consta que  "durante o cumprimento do mandado na residência de ADRIANO CABRAL, foi realizada breve entrevista com o mesmo, consoante consta no Relatório de Id. 4058300.14550388. Segundo o informe: "Ao ser entrevistado, ADRIANO CÉSAR CABRAL informou que já foi representante da empresa BRASMED em Pernambuco, tendo sido preposto da mesma na venda de respiradores pulmonares para a Prefeitura de Recife/PE. Esclareceu que ofereceu o produto ao Secretário de Saúde da edilidade, com o qual já mantinha contato em face de ter sido seu chefe anteriormente. Diante do interesse da Secretaria de Saúde de Recife no equipamento, averiguou-se o mesmo se adequava aos padrões exigidos pela edilidade, tendo constatado que os aparelhos fabricados e comercializados pela BRASMED se adequavam às especificações técnicas exigidas, razão pela qual a empresa, cujo proprietário, segundo o entrevistado, era o Sr. JUAREZ, firmou contratos com a Prefeitura de Recife/PE."

MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia