Após assassinato de Comissário por facção, Sinpol pede ao TJ-PE instalação de Varas específicas de combate ao crime organizado no estado


A Diretoria do Sinpol, sob a condução do Presidente em exercício do sindicato, Rafael Cavalcanti, esteve no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE), hoje (9), para oficiar o Poder Judiciário sobre a necessidade da criação de Varas específicas para o combate ao crime organizado no estado.

"Na verdade, muito mais que necessária, essa medida é urgente, principalmente em decorrência do que vem acontecendo na região de Surubim, onde o crime organizado vem tentando se instalar e recentemente tirou a vida do comissário Rogério de maneira covarde, afirma o Sinpol, em nota. 

"Por isso, antes que o mal se instale completamente, precisamos de toda a cooperação e firmeza possíveis por parte do Poder Judiciário, Ministério Público e, obviamente, a Polícia Civil - responsável por todas as investigações que desnudaram a organização criminosa na região", acrescenta o Sinpol.

Além disso, afirmam que o crime organizado pode estar impondo limitações e lançando intimidações sobre o Poder Judiciário local e isso atrapalharia muito o combate às organizações criminosas e, consequentemente, as investigações do homicídio do comissário Rogério.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia