Ministra Ana Arraes deve se arguir impedida para relatar processo sobre respiradores de porcos, comprados pela PCR, no TCU



Apesar de ter sido sorteada para relatar a auditoria especial requerida pelo Ministério Público de Contas, junto ao TCU, envolvendo a compra de respiradores testados apenas em porcos, a ministra Ana Arraes deve se arguir impedida para atuar no caso.
É que desde que assumiu o cargo de ministra, Ana arraes tem rejeitado atuar em processos que envolvam seu Estado natal, no caso Pernambuco.

A ministra é filha do ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes, mãe do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos e do presidente da Fundaj, Antônio Campos, hoje na oposição ao governador Paulo Câmara e ao Prefeito Geraldo Julio, que, por sua vez, apoiam a candidatura de João Campos, neto de Ana Arraes, à Prefeitura do Recife.

Por coerência, portanto, o mesmo procedimento deve ser adotado pela ministra também no caso envolvendo a compra de 500 respiradores testados apenas em porcos, adquiridos pela gestão Geraldo Julio, a uma empresa de fachada.

A compra foi alvo da Operação Apneia, da Polícia Federal em Pernambuco.

Leiam nota de esclarecimento do TCU, em casos anteriores, onde fica claro que a Ministra Ana Arraes não atua em nenhum processo em que figure o Estado de Pernambuco ou prefeituras pernambucanas como investigados. Em Pernambuco, a ministra só atua em casos envolvendo órgãos federais.






MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia