Negativa do Secretário de Saúde em fornecer documentos à CGU reforçou necessidade de buscas e apreensões da Prefeitura do Recife em operação contra empresa de fachada que obteve R$ 81 milhões em contratos com a PCR



Em aditamento à Representação para que fosse autorizada a Operação Antídoto, que investiga R$ 81 milhões em contratoss sem licitação, da Prefeitura do Recife com a empresa Saúde Brasil, que possuía capital social de apenas R$ 100 mil, a delegada da Polícia Federal, Andre Pinho, responsável pelas investigações, ressaltou que "a Controladoria-Geral da União requisitou à Secretaria Municipal de Saúde cópia dos aludidos procedimentos de dispensa e dos respectivos documentos de despesas (vide Ofício 6968/2020/DEMANDAS EXTERNAS-PE/PERNAMBUCO/CGU). Contudo, a Secretaria de Saúde negou o fornecimento de alguns procedimentos sob o argumento de terem sido custeados com recursos próprios, e não por meio de transferências do SUS (vide ofício 366/2020-GAB/SS), de forma que apenas encaminharam os seguintes processos relativos à empresa investigada: Dispensas 05/2020, 06/2020, 07/2020, 15/2020, 38/2020, 70/2020, 74/2020 e 160/2020."

De acordo com a delegada, a CGU considerou relevante a soma das contratações emergenciais (superior a R$ 81 milhões de reais) e o fato de que as aquisições foram feitas com verbas do Fundo Municipal de Saúde, o qual, como se sabe, é abastecido com repasses oriundos do Sistema Único de Saúde, estando, pois, sujeito à fiscalização de órgãos federais - conforme pacífica jurisprudência.

Além da recusa injustificada, já que até o cidadão comum tem direito a ter acesso a esses processos, que são públicos, sujeitando-se a autoridade que se recusar a disponibilizá-los, a responder por improbidade administrativa, afirma a Polícia Federal que dos "processos encaminhados pela Secretaria Municipal de Saúde à CGU, vários deles sequer se encontravam numerados ou em ordem, apenas tendo sido encaminhados arquivos digitais soltos o que indica, de um lado, uma desorganização da referida pasta na guarda de documentos referentes às contratações emergenciais, e de outro, alguns documentos eventualmente podem não ter sido encaminhados por má prestação das informações. Assim aconteceu, por exemplo, nos procedimentos de dispensa 05/2020, 06/2020, 07/2020, 38/2020 e 160/2020"

"Talvez por esse motivo, não tenha sido possível localizar as cotações de preço dos demais fornecedores de forma a fundamentar a escolha da SAÚDE BRASIL nas contratações emergenciais, entre outros documentos pertinentes ao procedimento de dispensa, como mapa de preço, email ou ofício que solicitou a cotação às fornecedoras, etc., ressaltou a delegada da PF que ainda acrescentou que "não se pode descartar também a possibilidade de essas peças não existirem nos autos, tendo sido apenas montados os procedimentos de forma apressada para justificar o contrato direto da aludida empresa, sem observância das formalidades pertinentes à hipótese. A fim de dirimir essas dúvidas, faz-se desde já essencial o acesso da equipe de investigação à sede da Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife para apreender as cópias integrais dos procedimentos de dispensa acima mencionados no ponto 3".

Segundo a PF, "a despeito de expressamente requisitado pela CGU no mesmo ofício 6968/2020/DEMANDAS EXTERNAS-PE/PERNAMBUCO/CGU, a Secretaria de Saúde não encaminhou as notas fiscais e dos processos de liquidação e pagamento relativos à execução de quaisquer desses contratos, ainda que custeados com verbas federais. A omissão se torna ainda mais relevante ao se ter em conta que o próprio Secretaria de Saúde informa à CGU, no anexo I do ofício 386/2020-GAB/SS, que alguns contratos já tiveram as despesas empenhadas e os pagamentos já foram total ou parcialmente efetuados, a exemplo das Dispensas 7/2020, 15/2020, 38/2020 e 70/2020, porém não foi fornecido ao órgão de controle federal nenhuma nota fiscal ou documento atinente a essas despesas. Esse se afigura mais um motivo para sustentar a necessidade da medida de busca e apreensão pleiteada."

"Ainda vale mencionar que, como a Secretaria de Saúde do Recife se negou a apresentar à Controladoria-Geral da União alguns procedimentos de dispensa envolvendo a SAÚDE BRASIL, sob o pretexto de terem sido executados com recursos próprios - em clara contrariedade ao firme posicionamento jurisprudencial - buscamos no Portal Tome Conta do TCE-PE alguns documentos relativos a eles, tais processos, tendo-se logrado localizar nesse sítio eletrônico tão somente os Termos de Dispensa de Licitação dos procedimentos 11/2020, 53/2020, 104/2020 e 132/2020, não sendo possível, contudo, verificar quem teriam sido os demais fornecedores que apresentaram propostas, quem foi o servidor responsável pela cotação e pelo recebimento das propostas, quem deu o ateste, enfim, verificar se foram observadas as formalidades legais in casu", aponta a PF.

"E, apesar de todas as diligências empreendidas visando obter, de forma velada, todos os procedimentos de dispensa envolvendo a SAÚDE BRASIL, não se localizou sequer qualquer documento referente às Dispensas 95/2020 e 127/2020, mas tão somente os extratos das dispensas publicadas no portal de transparência do município relacionado à COVID-19. Assim, quanto a esses dois procedimento em específico, as lacunas são ainda maiores, não se tendo conhecimento sobre o servidor que solicitou a contratação emergencial e quanto, quem assinou o termo de dispensa, quem coletou as propostas, quem foram os outros fornecedores cotados... nada!", informou, a Polícia Federal, ao juiz.

Diante de todas essas circunstâncias, segundo, ainda a Polícia Federal, "a diligência de busca e apreensão na sede da Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife, além das residências dos demais envolvidos e na sede da empresa, é a medida mais oportuna, necessária e adequada ao preenchimento das lacunas supramencionadas, sendo essencial para a comprovação da materialidade do delito tipificado no art. 89 da Lei n. 8.666/93 bem assim para a coleta de indicativos de autoria, e no mínimo, indicação de servidores que tenham atuado nesses procedimentos, a fim de se proceder à sua inquirição na continuidade da investigação. 






MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: PF faz buscas nas Prefeituras do Recife, Paulista, Cabo e Olinda contra corrupção na pandemia