PSB defende "amplíssima" frente para enfrentar "fundamentalismo" de extrema-direita de Bolsonaro 


Em reunião virtual, nesta quinta-feira (11), a Comissão Executiva Nacional do PSB reiterou a necessidade da formação de uma "amplíssima" frente em defesa da democracia diante do "fundamentalismo" de extrema-direita do governo Bolsonaro, que "ainda não se realizou em nenhum outro lugar do mundo".

Os socialistas também reafirmaram o engajamento no movimento pelo Impeachment Já do presidente da República. Durante quatro horas, os socialistas analisaram a conjuntura política, econômica e social do país e aprovaram também propostas voltadas para a área econômica e social no período pós-pandemia.

Uma manifestação em desagravo ao Supremo Tribunal Federal e ao Superior Tribunal de Justiça foi aprovada pelo colegiado em reconhecimento à firme atuação de seus integrantes na defesa do Estado Democrático de Direito e das garantias constitucionais.

Para o PSB, Jair Bolsonaro busca implantar no país um regime autoritário, com uma estratégia que inclui, por exemplo, a tentativa de armar a população civil e de envolver polícias e Forças Armadas; o desmonte da legislação e órgãos de controle ambiental; o descaso com a pandemia do coronavírus e o uso de fake news contra governos prejudicando o combate à doença; as limitações às políticas assistenciais e aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres; e os ataques sistemáticos à verdade e aos fatos pelas redes sociais - em contraposição à atuação da imprensa.

Participaram da reunião, realizada por meio de um aplicativo e coordenada pelo presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, os governadores Paulo Câmara (Pernambuco) e Renato Casagrande (Espírito Santo), os ex-governadores Rodrigo Rollemberg, Ricardo Coutinho, Márcio França e João Capiberibe, o vice-presidente de Relações Governamentais do PSB, Beto Albuquerque, deputados federais, senadores, prefeitos e representantes dos seis segmentos sociais do partido.

Um balanço foi apresentado ao colegiado com as principais medidas do governo Bolsonaro, divididas em 18 tópicos.

Frente ampla e programa robusto

Para fazer frente ao atual governo, o PSB defende que a frente ampla seja formada com base em um programa "majoritário e robusto" em defesa da democracia e de suas instituições.

Para os socialistas, esta frente deve envolver toda a sociedade civil, como artistas, intelectuais, partidos políticos, governadores e prefeitos, sindicatos e confederações de trabalhadores, instâncias representativas democráticas das polícias, órgãos de imprensa, cientistas e autoridades de saúde. O partido se propõe a somar esforços com movimentos da sociedade civil que se opõem ao governo, como #Somos70%, #EstamosJuntos e #Basta.

"Esta tarefa é urgentíssima, porque não se pode dizer, infelizmente, que o presidente da República e seu grupamento ideológico estejam sendo mal sucedidos nos intento de impor sua plataforma política fundamentalista à sociedade civil. Além disso, estão melhor organizados neste momento do que as forças democráticas, e têm sob seu controle a máquina federal", afirma o partido.

O PSB seguirá empenhado na ampliação do movimento Janelas da Democracia, que já reuniu mais de 60 personalidades e lideranças do mundo político, social, artístico, cultural e intelectual, em uma live pelas redes sociais de cinco partidos - PSB, PDT, Rede, PV e Cidadania. A segunda edição será no dia 18 de junho e contará com um número maior de representantes de segmentos sociais dispostos a defender a democracia.

Propostas pós-pandemia

Os socialistas aprovaram propostas para o enfrentamento da crise econômica e social no período pós-pandemia. Entre elas, o estabelecimento de um programa de renda mínima universal, e a formulação de um programa de investimentos públicos diretos e de um plano de recuperação financeira de empresas.

Também a defesa da criação de um fundo garantidor de financiamentos para as micro, pequenas e médias empresas, com juros baixos, o fomento ao investimento privado, além de medidas para adequar o serviço da dívida pública à realidade de grave crise.

Considerada uma das áreas mais atacadas pelo atual governo, a educação foi considerada pelos socialistas um "eixo estruturante para reconstrução do país" no pós-pandemia.




MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia