Publicitário pernambucano é condenado junto com ex-presidente da Petrobras por corrupção e lavagem de dinheiro. André Gustavo negociava e recebia vantagens indevidas, aponta sentença



Em meio à pandemia e a tantos escândalos ligados às compras para combater o coronavírus, passou praticamente desapercebida a condenação do publicitário André Gustavo, ligado a vários políticos pernambucanos, tanto da direita quanto da esquerda.

André Gustavo foi condenado, juntamente com  o ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil Aldemir Bendine,pelo juiz federal Bonat, sucessor de Moro na Lava Jato, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A pena prevista para o publicitário é de cinco anos, nove meses e 20 dias de prisão, mais 40 dias-multa, no valor de cinco salários mínimos cada.

"No caso, André Gustavo Vieira da Silva foi peça-chave na solicitação e recebimento da vantagem indevida por Aldemir Bendine. Como visto, o réu foi verdadeiro artífice da empreitada criminosa, tendo dela participado não só como interlocutor de Aldemir Bendine, mas também como negociador perante os executivos do Grupo Odebrecht e receptor da vantagem devida", afirma o juiz.

Segundo a decisão, o publicitário deve cumprir a pena inicialmente em regime semiaberto. Ele ficou preso entre 24 de julho de 2017 e 8 de março de 2018.

Também foi condenado o engenheiro Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis, então executivo da Odebrecht, que pegou 4 anos e dois meses de prisão por corrupção ativa. Por ter fechado acordo de colaboração premiada, ele teve a pena substituída.

Já Bendine, foi condenado a seis anos e oito meses de prisão pelo crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Ele já havia sido condenado a 11 anos de prisão, mas teve a sentença anulada pelo STF.

As investigações do MPF sobre André Gustavo, porém, juntament com as delações premiadas do Grupo JBS, apontam que além de “operador” de Bendine, o empresário distribuía dinheiro das empresas dos irmãos Batista a poíticos.

Segundo o diretor de relações institucionais da JBS, Ricardo Saud, André Gustavo teria entregado 7 milhões de reais a senadores do PMDB. O então presidente do Senado, Eunicio Oliveira (PMDB-CE), teria recebido 318.000 reais em dinheiro vivo pelas mãos do publicitário, enquanto seu antecessor na chefia da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), teria sido o destinatário de 3,8 milhões de reais em espécie, repassados por André Gustavo a Durval Rodrigues, suposto emissário de Renan.

O publicitário também teria entregue 980.602 reais a Jader Barbalho, 1 milhão de reais a Eduardo Braga (PMDB-AM) e 1 milhão de reais ao ex-senador e ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo, sempre em dinheiro vivo.

Os pagamentos aos peemedebistas, conforme Saud, foram feitos a pedido do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, interlocutor do PT junto à JBS, para “assegurar a unidade do PMDB, que apresentava, ao tempo, risco real de fratura, com a perspectiva de parte do partido passar a apoiar formalmente Aécio Neves”.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Exclusivo: Polícia Civil de Pernambuco prende maior estelionatário do Nordeste. Hacker, que estava foragido, foi preso pela Delegacia do Cordeirro. Golpes ultrapassam a casa dos R$ 100 milhões

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia