Relator das Contas de Geraldo Julio notifica Prefeito para comprovar que calote no pagamento da Previdência dos Servidores é imprescindível. Prefeito deve informar ainda se está em dia com obrigações



O Conselheiro Carlos Porto, relator das contas da gestão Geraldo Julio para o exercício de 2020 notificou, ontem, o Prefeito Geraldo Julio para comprovar que o calote que dará na previdência dos servisores, repassando o encargo aos próximos prefeitos, é realmente necessário ao combate à pandemia, já que como demonstrou este Blog, em artigo publicado na semana passada, além de ter recebido R$ 300 milhões da União, o Prefeito ainda obteve suspensão de um empréstimo de R$ 66 milhões que terá que ser pago pelo próximo prefeito, bem como ainda contará com a antecipação do IPTU de 2021, levando o caos financeiro ao sucessor.

O relator exige que o prefeito forneça todos os estudos e pareceres que justificam a medida temerária e que o prefeito informe se está pagando em dia a Previdência, já que a lei municipal restringiu a março, não estando claro se o prefeito não vinha pagando a Previdência ou se pretende pegar de volta o que já foi pago.

Confiram: 







MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Exclusivo: Saiba quem são todos os 41 alvos das Operações Casa de Papel e Antídoto, deflagradas hoje, pela PF, e que também teve como alvos as Prefeituras do Recife, do Cano, de Paulista e de Olinda

Advogado dos Bolsonaro, Wasef, teve pedido de prisão em inquérito que investigou seita satanista suspeita de matar crianças em rituais. Seita tinha integrantes também em Pernambuco

DRACCO faz operação contra Sebastião Figueroa, maior fornecedor de produtos gráficos para políticos e governos em Pernambuco. Veja as imagens exclusivas do Blog da Noelia Brito

Covidão: PF faz buscas nas Prefeituras do Recife, Paulista, Cabo e Olinda contra corrupção na pandemia