Gigante de limpeza urbana do país negocia delatar corruptos e até escritórios de advocacia


Segundo a Coluna Radar, da Veja, avança em sigilo no MPF um gigantesco acordo — leniência mais delação de executivos — da Estre Ambiental, uma das maiores companhias de limpeza urbana do país, que detonará políticos de múltiplos partidos e esferas, além de empresários e até bancas de advocacia.

Dois ex-executivos do Grupo Estre foram presos pela Polícia Federal na 59ª fase da Operação Lava Jato, denominada Operação Quinto Ano.  Além de Wilson Quintela Filho, ex-presidente de empresas do grupo, o advogado e ex-diretor do Estre Mauro de Morais também foi preso na mesma Operação.

A Estre e seus diretores foram delatados pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que teria recebido propina paga pelo Grupo Estre por contratos com a Transpetro para tratamento de resíduos, manutenção de dutos e construção de um estaleiro para produzir embarcações para transporte de etanol no Rio Tietê. A propina era de 3% do valor dos contratos, conforme o MPF, em coletiva na época da Operação.

No esquema, segundo o MPF, o grupo Estre assinava contratos fictícios com o escritório de advocacia de Morais. Na prática, o escritório fazia a distribuição do dinheiro dividindo a propina em inúmeros depósitos fracionados e cheques de baixo valor, com o objetivo de burlar a fiscalização do Banco Central. A maior parte da propina chegava a Machado que, por sua vez, fazia a redistribuição para políticos do MDB, partido político que garantia sua sustentação política. PF e MPF preferiram não citaranomes de políticos ligados ao partido. 
O delegado da Polícia Federal, Christian Robert Wurster, coordenador da Operação Quinto Ano, estima que até 3% do valor de 36 contratos formalizados com a estatal entre 2008/2014 tenham sido objeto de propina, em um total de 682 milhões de reais.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

É tetra! Prefeitura do Recife recebe a quarta "visita" da Polícia por fraudes na pandemia, desta vez foi a DECOT. A prefeitura nega envolvimento