MPRJ apreendeu milhões em escritório de advocacia ligado ao ex-secretário de Saúde do Rio



Da CNN

Ministério Público apreende milhões de reais em dinheiro vivo em operação que prendeu o ex-secretário estadual de Saúde do Rio Edmar Santos

O Ministério Público do estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) apreendeu milhões de reais em dinheiro vivo nesta sexta-feira (10), durante busca e apreensão, na quinta fase da operação Mercadores do Caos, que prendeu o ex-secretário de Saúde do estado do Rio de Janeiro, Edmar Santos.

O montante em dinheiro foi encontrado dentro de um carro em um escritório de advocacia que seria ligado ao ex-secretário na Barra da Tijuca, bairro da zona oeste do Rio.

Até o começo da noite, o MP-RJ já havia contabilizado cerca de R$ 5 milhões em dinheiro vivo apreendido, mas a expectativa é de que o valor seja mais alto. Malas apreendidas ainda estão sendo abertas.

Edmar Santos está preso desde o começo da tarde no Batalhão Especial Prisional de Niterói.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Durante julgamentos de interesse da gestão Geraldo Julio, um dos quais envolvendo a Casa de Farinha, Conselheiros do TCE/PE perdem a calma, gritam e interrompem Procuradora que combate a corrupção no Governo de Pernambuco e na Prefeitura do Recife

Exclusivo: TJPE determina afastamento do Prefeito de Paulista, Junior Matuto, a pedido do Dracco, por desvios de R$ 21 milhões em PPP do lixo com a empresa Locar

"Grampos" da Operação Locador, do DRACCO, mostram temor de investigados de que chefões da gestão Matuto lhes fizessem "mal" e espanto com pagamentos em dinheiro vivo feitos pelo prefeito na compra de terrenos

Microempresas com capital social de R$ 200 mil e R$ 300 mil, alvos da Operação da Deccot, que cumpriu mandados também na Prefeitura do Recife, foram agraciadas com contratos de mais de R$ 18,6 milhões com a Prefeitura do Recife, na pandemia

PF volta à Prefeitura do Recife em mais duas Operações por desvios de recursos públicos na pandemia: Bal MAsqué e Apneia III. Diretor Financeiro é afastado do cargo pro pagar mais de R$ 7 milhões por produtos jamais entregues