PF pediu a prisão de Sebastião Figueiroa e de um servidor da Alepe, mas a Justiça negou


Policial Federal realiza buscas na residência de um dos alvos da Operação Coffee Break (Foto: PF)

Alvo da primeira fase da Operação Casa de Papel, da Polícia Federal e da Operação Rip Stop, do Dracco, o empresário do ramo gráfico Sebastião Figueiroa teve pedida mais uma vez sua prisão, desta feita, pela Polícia Federal, que também pediu a prisão de um servidor flagrado em conversas pelo WhatsApp pedindo propina para liberar pagamentos ás gráficas de Cigueiroa.

Pedido anterior fora feito pelo Dracco, por ocasião da deflagração da Operação que investiga contratos do mesmo empresário com a Prefeitura de Petrolina.

Ambos os pedidos foram negados pela Justiça.

A deflagração de operações contra Sebastião Figueroa causou pânico entre políticos e gestores públicos, que são justamente os principais clientes das gráficas do empresário que também costuma emprestar dinheiro a empresários e políticos.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Radar: João Campos recebe mais de R$ 5,2 milhões do Fundo Eleitoral do PSB e é recordista nacional de doações

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

Desembargador extingue reclamação do Estado de Pernambuco contra decisão do Juiz que mandou suspender retorno das aulas presenciais

Exclusivo: Geraldo Julio deixou de pagar mais de R$ 8,2 milhões devidos à Reciprev referentes a contribuições previdenciárias dos inativos da PCR, aponta Auditoria do TCE/PE