Coffee Break: Investigado acusa PF de fazer escuta ambiental depois diz que se enganou. Operação mirou fraudes em contratos de Gráficas com a ALEPE

Maleta Espiã (Foto Ilustrativa)

 

Um dos investigados pela Operação Coffee Break, desdobramento da Operação Casa de Papel, o empresário Sebastião Figueiroa, peticionou ao Juiz da 13ª Vara Federal pedindo acesso a supostas escutas ambientes que, segundo ele, teriam sido feitas pela Polícia Federal e que teriam sido realizadas por meio de um aparelho localizado em sua residência.

O empresário chega a acusar a Polícia Federal de ter plantado as escutas no dia em que realizou as buscas e apreensões em sua residência. 

O Ministério Público se manifestar para esclarecer que desconhecia qualquer pedido de escutas ambientais no âmbito das Operações Casa de Papel e Coffee Break, nas quais Sebastião Figueiroa fora alvo e que se, de fato existia tal pedido, fora feito em outra investigação que não era de seu conhecimento. Logo em seguida, o próprio empresário pediu desculpas e disse que havia se enganado. Que coisa!

Confiram:









MAIS VISITADAS DO MÊS

Aliado de Arthur Lira, do Centrão, Marinaldo Rosendo é alvo de Operação da PF por desvios de recursos do SUS durante sua primeira gestão na Prefeitura de Timbaúba

Após dia de polêmica, Marília Arraes solta nota rebatendo acusações de traição, golpismo e aliança com a direita que lhe foram imputadas por colegas do PT

Lideranças e ex-presidentes defendem reeleição do Bruno Baptista à presidência da OAB/PE

Diretoria Antimáfia Italiana e Polícia Federal em Pernambuco prendem Italiano apontado como líder de rede de traficantes internacionais de drogas. O estrangeiro morava em Aldeia, na cidade pernambucana de Camaragibe

Priscila Krause afirma que João Campos manteve equipe administrativa da Secretaria de Saúde, alvo de sete operações da PF: “de fato ele confia na equipe”