Coffee Break: Investigado acusa PF de fazer escuta ambiental depois diz que se enganou. Operação mirou fraudes em contratos de Gráficas com a ALEPE

Maleta Espiã (Foto Ilustrativa)

 

Um dos investigados pela Operação Coffee Break, desdobramento da Operação Casa de Papel, o empresário Sebastião Figueiroa, peticionou ao Juiz da 13ª Vara Federal pedindo acesso a supostas escutas ambientes que, segundo ele, teriam sido feitas pela Polícia Federal e que teriam sido realizadas por meio de um aparelho localizado em sua residência.

O empresário chega a acusar a Polícia Federal de ter plantado as escutas no dia em que realizou as buscas e apreensões em sua residência. 

O Ministério Público se manifestar para esclarecer que desconhecia qualquer pedido de escutas ambientais no âmbito das Operações Casa de Papel e Coffee Break, nas quais Sebastião Figueiroa fora alvo e que se, de fato existia tal pedido, fora feito em outra investigação que não era de seu conhecimento. Logo em seguida, o próprio empresário pediu desculpas e disse que havia se enganado. Que coisa!

Confiram:









MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos