ORCRIM montada para resgatar presos do Sistema Perniteciário de Pernambuco guardava armas pesadas em "flat" em Boa Viagem

Delegado Luis Alberto Braga, titular da Delegacia de Roubos e Furtos
 

Uma organização criminosa que se associou para resgatar presos no Sistema Penitenciário de Pernambuco foi desbaratada, ontem, pela Polícia Civil do Estado, por meio da 36ª Operação de Repressão Qualificada de 2020, nominada de "Consórcio do Crime" (confiram em Consórcio do Crime: PCPE desarticula ORCRIM que planejava ataque ao Sistema Prisional de Pernambuco).

 

No momento da deflagração da Operação foram presos, em flagrante, cinco integrantes da organização criminosa, sendo três homens e duas mulheres, com a união de recursos táticos do Comando de Operações e Recursos Especiais -CORE, da Polícia Militar, do Batalhão de Operações Especiais BOPE e do Grupamento Tático Aéreo GTA. 

 

Em coletiva de imprensa, na manhã de hoje, o delegado Luis Alberto Braga, titular da Delegacia de Roubos e Furtos. revelou que a organização criminosa já havia explodido dois presídios: Itaquitinga e Limoeiro e que agora planejava explodir o COTEL para resgatar comparsas presos. 


O delegado ainda contou que a empreitada criminosa foi organizada por cinco presos que estavam recolhidos em Itaquitinga e posteriormente transferidos para o COTEL.

 

No decorrer das investigações, a Delegacia da Macaxeira apreendeu armas de grosso calibre que seriam empregadas na empreitada criminosa, inclusive uma metralhadora .30, capaz de derrubar um helicóptero

No decorrer das investigações, o DEPATRI apreendeu uma carga de 651 quilos de "Skank", avaliada em R$ 10 milhões e a Delegacia da Macaxeira apreendeu armamentos de grosso calibre que seriam utilizados no resgate dos presos.

 

De acordo com o delegado da Macaxeira, que apreendeu parte do armamento de grosso calibre que seria usado no resgate dos presos, inclusive a metralhadora antiaérea .30, os integrantes do grupo seriam ligados ao Comando Vermelho, fornecedora do armamento e que costumavam trazer armas e drogas, semanalmente, de Natal para o Recife e que as drogas comercializadas pela ORCRIM eram marcadas com o símbolo da Organização, que é um "jacaré".