Doleiros em Pernambuco, alvos da PF, operaram para a Igreja Mundial de Waldemiro Santiago e para um funcionário do Banco Central, revela Crusoé

10 de out. de 2020

/ by Blog da Noelia Brito

 

O governo Bolsonaro concedeu passaporte diplomático para o religioso, líder  em 2019, com validade de três anos

A Revista Crusoé, em matéria assinada por Fabio Serapiao, revela que os doleiros apontados pela Polícia Federal como responsáveis por movimentações suspeitas de mais de R$ 200 milhões, teriam operado para a Igreja Mundial do Poder de Deus, comandada pelo Apóstolo Waldemiro Santiago e para um funcionário do Banco Central, do Rio de Janeiro, chamado Sidney Froes. A matéria completa pode ser conferida em https://crusoe.com.br/diario/doleiros-em-pernambuco-operavam-para-igreja-e-funcionario-do-bc-diz-pf/ para assinantes. 

Segundo a matéria, as empresas Odisseia e Trindade, pertencentes ao grupo de doleiros, teriam sido usadas pela Igreja de Waldemiro para internalizar R$ 239 mil, entre 2011 e 2014 e pelo funcionário do Banco Central para receber remessa de R$ 872 mil, vinda do Exterior, também entre 2011 e 2014.

Ainda segundo a reportagem, o chefe dos doleiros alvos da Operação Amphis é o doleiro Manoel Leal.

Já sob o governo Bolsonaro, o Ministério das Relações Exteriores concedeu passaporte diplomático ao apóstolo Valdemiro Santiago e a sua esposa, Franciléia de Castro Gomes de Oliveira. O Itamaraty liberou o documento, com validade de 3 anos cada, “por entender que, ao portar passaporte diplomático, seu titular poderá desempenhar de maneira mais eficiente suas atividades em prol das comunidades brasileiras no exterior”.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021