Decreto criando o Renda Mínima será a primeira medida de Edmilson (PSOL) na Prefeitura de Belém

Nenhum comentário

30 de nov. de 2020



O novo prefeito de Belém Edmilson Rodrigues (PSOL) participou de coletiva de imprensa, na noite deste domingo (29), horas após o encerramento da contagem dos votos das urnas.

Edmilson anunciou que o primeiro ato como gestor da cidade, em primeiro de janeiro, será a assinatura do decreto criando o Renda Mínima, programa de transferência no valor de até R$ 450 para o combate à fome. Esse foi um de seus principais compromissos assumidos durante a campanha.

“É uma vitória do povo, com respeito aos adversários e aos eleitores do adversário, mas o resultado foi positivo para nós. Belém é uma cidade muito desigual. Vamos precisar somar esforços para combater seus problemas”, anunciou.

Dando início às articulações, Edmilson disse também que já entrou em contato com deputados federais, vereadores e diversas autoridades políticas para garantir a viabilidade de projetos da futura gestão. “Há um sentimento de querer ajudar Belém. Já conversei com deputados federais, com o Governador [Helder Barbalho], com o [atual prefeito de Belém] Zenaldo [Coutinho]. Todos sabem das nossas diferenças, mas é necessário que tenhamos parcerias para combater os problemas de Belém”, pontuou.

Nós vivemos um momento de crise, uma crise profunda. Belém é uma cidade periférica, é uma grande e linda metrópole, mas precisa ser bem cuidada e vamos precisar das mãos de todos. Agora sou prefeito de todos os belenenses. E é com esse sentimento, esse princípio de amor por todo o povo, com carinho muito especial aos que passam fome, aos desempregados, aos que sofrem com os alagamentos, porque há desigualdades e nós queremos diminuí-las. É dessa forma que Belém vai ser mais justa, mais feliz”, declarou Edmilson.

Secretários e até procurador de Caucaia são presos no Ceará com "bolos" de dinheiro nas calças um dia antes da eleição

Nenhum comentário

28 de nov. de 2020




Do Jornal da Jangadeiro 

A Polícia Civil prendeu em flagrante por suposta compra de votos em Caucaia, neste sábado (28), assessores do prefeito e candidato à reeleição Naumi Amorim (PDS). Entre eles, estariam o sub-procurador Antônio Uedson da Silva, o secretário de Patrimônio de Caucaia, Assis Medeiros, e o vice-presidente da Autarquia Municipal, Carlinhos Gomes.




A prisão ocorreu na véspera da eleição, que acontece neste domingo (29). Nas imagens, os apoiadores aparecem com bolos de dinheiro nas calças, com cédulas de R$ 50 e R$ 100. Não há confirmação sobre o total da quantia que estavam com eles. Além disso, portavam adesivos com número do partido PSD e uma lista com nomes de pessoas, números, que poderiam ser a quantia repassada, ao lado de um ok. ⠀



Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) confirmou que, ao todo, cinco pessoas foram conduzidas à sede da Polícia Federal em Fortaleza, onde devem ser ouvidas. Também informou que a Polícia Civil realizou abordagem a um veículo suspeito, no Parque Potira, em Caucaia, e apreendeu dinheiro e outros objetos indícios de crime eleitoral. ⠀



Na sede da PF, estão assessores e advogados da candidatura de Naumi, mas não há pronunciamento oficial sobre o caso. O irmão do candidato, Miguel Amorim, também teria sido conduzido pela polícia, mas não há confirmação. A Polícia Federal marcou entrevista coletiva para 16h30 com objetivo de falar sobre o caso.

Polícia Federal prende hacker português suspeito de invasão do sistema do Tribunal Superior Eleitoral

Nenhum comentário




Ordem de prisão foi cumprida em Portugal e a ação contou com a cooperação da Polícia Judiciária Portuguesa

Brasília/DF – A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (28), a Operação Exploit* tendo como objetivo desarticular a associação criminosa que teria promovido os ataques hackers ao TSE no primeiro turno das Eleições 2020, com o acesso e divulgação ilegal de informações de servidores públicos do TSE. As ações se desenvolvem com a cooperação da Polícia Judiciária Portuguesa – Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e Criminalidade Tecnológica.

Estão sendo cumpridos, no Brasil, três mandados de busca e apreensão e três medidas cautelares de proibição de contato entre investigados nos estados de SP e MG. 

Além disso, em Portugal, são cumpridos um mandado de prisão e um mandado de busca e apreensão. Os mandados cumpridos no Brasil foram expedidos pelo Juízo da 1ª Zona Eleitoral do Distrito Federal, após representação efetuada pela Polícia Federal e manifestação favorável da 1ª Promotoria de Justiça Eleitoral.

O inquérito policial aponta que um grupo de hackers brasileiros e portugueses, liderados por um cidadão português, foi responsável pelos ataques criminosos aos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral - TSE quando do primeiro turno das Eleições de 2020.

A Polícia Federal apura o acesso ilegal aos dados de servidores públicos divulgados no dia 15/11, além de outras atividades criminosas do grupo.

Os crimes apurados no inquérito policial são os de invasão de dispositivo informático e de associação criminosa, ambos previstos no Código Penal; além de outros previstos no Código Eleitoral e na Lei das Eleições (9.504/97).

Não foram identificados quaisquer elementos que possam ter prejudicado a apuração, a segurança ou a integridade dos resultados da votação. 

* Um exploit é uma parte de software, um pedaço de dados ou uma sequência de comandos que tomam vantagem de um defeito a fim de causar um comportamento acidental ou imprevisto no software ou hardware de um computador ou em algum dispositivo eletrônico.

Comunicação Social da PF

Prefeitura do Paulista esclarece que buscas da PF decorreram de denúncia da própria Prefeitura por suspeita de crime eleitoral pela gestão transitória do vice-prefeito Jorge Carreiro

Nenhum comentário




A Prefeitura do Paulista se posicionou, por meio de nota, sobre as buscas e apreensões realizadas ontem, 27, na Secretaria de Educação do Município, por determinação da Justiça Eleitoral.

De acordo com a Secretaria de Imprensa do Paulista, "A denuncia de crime eleitoral partiu da prefeitura do Paulista, que encontrou arquivos nos computadores da secretaria de educação, com indicações politicas de vereadores e do candidato Yves Ribeiro."

Na tarde de ontem,  a Polícia Federal confirmou, também por nota, a apreensão de computadores na sede da Seduc do Município para perícia. Acaso sejam localizadas irregularidades, a corporação informou que será instaurado inquérito.

O Município tem sido palco se um revezamento entre o atual prefeito, Júnior Matuto e seu vice, Jorge Carreiro, por determinações judiciais, em decorrência de Operações policiais.

Os candidatos do atual Prefeito e de seu vice disputam o segundo turno que deve ser definido amanhã.

O vice-prefeito e o candidato Yves Ribeiro não entraram em contato com o Blog, mas o espaço está aberto.


Apoiando Boulos em SP, PSTU chama voto nulo no segundo turno no Recife

Nenhum comentário

27 de nov. de 2020






O Recife é a capital da desigualdade, e o PT e PSB que disputam o 2° turno à prefeitura, são responsáveis por isso pois governaram juntos esta cidade por anos
Por PSTU-PE

Agradecemos os votos que tivemos nessas eleições à Prefeitura do Recife. Desde o começo, afirmamos que as eleições municipais não são uma ” festa da democracia”, ao contrário, são um jogo de cartas marcadas a serviço dos ricos. Por isso, nossas candidaturas colocaram que a única solução para resolver os problemas mais sentidos da nossa classe só podem vir através de uma alternativa socialista revolucionária contra o capitalismo, e um governo socialista dos trabalhadores que governe através de conselhos populares, onde todas as decisões da cidade, principalmente o orçamento, seja administrado e controlado pelas trabalhadoras, trabalhadores e o povo pobre e negro do Recife.

Agora, no 2º turno, há duas candidaturas no Recife: João Campos do PSB e Marilia Arraes do PT. João Campos passou para 2º turno após uma queda de mais de 200 mil votos da última eleição ocorrida em 2016, o que demonstra a rejeição à administração do PSB. Marilia Arraes e o PT conseguiram ir para o 2º turno muito em razão da fragmentação e da divisão da direita, que juntas somaram mais votos do que sua candidatura. A população não esqueceu que ambos estavam juntos na administração municipal.

João Campos não é alternativa porque é a continuidade dos governos de Geraldo Júlio e Paulo Câmara. É a continuidade do projeto que ataca o serviço público e os servidores, que não resolveu os problemas mais importantes e urgentes que a sociedade recifense padece há anos, que são a falta de emprego, moradia, saneamento, da saúde, da educação. João Campos não expressa nenhuma novidade, é expressão de tudo aquilo que combatemos. Na coligação do PSB coube todo tipo de partido, inclusive partidos da base de apoio do governo genocida de Bolsonaro e o partido dos seus filhos, o Republicanos, ou seja, João Campos e o PSB são um projeto a serviço dos ricos e inimigos dos trabalhadores e do povo pobre do Recife.

O governo, formado pelo PSB e PCdoB, foi um dos primeiros a aplicar, no Estado, a Reforma da Previdência de Bolsonaro, aumentando a alíquota da previdência para 14% achatando ainda mais o salário dos servidores, com os votos do PT, inclusive. Os governos de Paulo Câmara e de Geraldo Júlio, fizeram discurso de oposição ao Governo Federal no início da pandemia, contudo, não garantiram o isolamento social e as condições necessárias para que as pessoas pudessem ficar em casa durante a quarentena, resultando em quase 9 mil mortos no estado e no Recife. Agora, aplicam a mesma política genocida com o “liberou geral”, mesmo neste momento com forte indícios de aumento dos casos de contágio e mortes, como demonstra o aumento em mais de 70% da ocupação dos leitos de UTI.

Fez da saúde um negócio com a expansão do polo hospitalar concentrado na Ilha do Leite, um dos maiores do país, em que a maioria da população não tem acesso se não tiver um plano privado de saúde. Entregou as unidades básicas de atendimento à saúde às OS (Organizações Sociais), cujo escoamento do dinheiro público para iniciativa privada é oficializado e fonte de inúmeros denúncias de corrupção, levando ao sucateamento e o enfraquecimento do SUS. Não é à toa que Geraldo Júlio amarga 60% de rejeição ao seu governo e que a campanha de João Campos o escondeu o quanto pode.

Respeitamos o voto que muitos trabalhadores deram na candidatura do PT, mas achamos que Marília e o PT não são opção pra resolver os principais problemas da nossa classe.

Em fevereiro, técnicos de enfermagem e enfermeiras (os) fizeram greve e vigília em frente ao HR, pois gente com 18 anos de casa recebe menos que o salário mínimo. Paulo Câmara jogou a tropa de choque e muito gás lacrimogêneo. O PT não só permaneceu neste governo como se calou diante dessa truculência. E estes profissionais, um mês depois, foram a linha de frente no atendimento à população diante da pandemia e do caos da saúde do estado. O PT ocupa a Secretaria de Agricultura no governo Paulo Câmara com Dilson Peixoto. O papel cumprido pelo PT nessa secretaria é de defesa do latifúndio, dos usineiros, do agronegócio nos conflitos agrários, como no do município de Jaqueira na Zona da Mata, sul do estado.

Todas as mazelas que nossa população sofre teve não só o silêncio do PT, mas sua ajuda e conivência com o governo de Geraldo Júlio. Sobre as denúncias de corrupção na compra dos respiradores de porcos, o secretário de Saúde teve que andar com habeas corpus para não ser preso pela Polícia Federal. Vários secretários da PCR assinaram uma carta em solidariedade a ele, inclusive Oscar Barreto do PT, na ocasião secretário de Saneamento. A crítica que Marília Arraes fez a essa Secretaria, com menos de 2% do orçamento pra dar conta de 56% da população que não goza desse direito básico na cidade do Recife, é uma crítica ao seu próprio partido. O Recife é a capital da desigualdade, e o PT e PSB que disputam o 2° turno da prefeitura, são responsáveis pela enorme desigualdade pois governaram juntos esta cidade por anos.

O PT formalmente se coloca contra o governo genocida de Bolsonaro. Marília Arraes em praticamente toda a sua campanha não falou sobre esse governo genocida e a necessidade da classe trabalhadora de derrubá-lo como forma de garantir acesso ao tratamento contra a pandemia do coronavírus, pela manutenção do emprego e renda, da Educação e da Saúde pública. Marília e o PT trocam a luta mais importante da classe trabalhadora, que é o Fora Bolsonaro, para não perder votos entre quem ainda apoia esse governo.

Por outro lado, Marília Arraes enquanto deputada federal, votou nos projetos que ajudaram e muito os 42 bilionários do país que ficaram mais bilionários ainda, como o PL do Orçamento de Guerra, que destinou mais de 1 trilhão aos bolsos dos banqueiros que em nada reverteram essa “ajuda” para garantir empréstimos às pequenos empresas e comércio, que empregam 50% da mão de obra do país. E embora tenha votado pela retirada dos servidores da educação e da saúde, votou na PL 39/2020 que congela por 2 anos salário dos servidores públicos e qualquer outro investimento no serviço público.

Durante o 1° e agora no 2° turno, Marília Arraes vem reivindicando os 12 anos das gestões anteriores do PT na prefeitura do Recife como exemplo de combate às desigualdades. Será que foi assim?

A gestão de João Paulo, na época no PT, foi marcada pelos avanços das Parcerias Público Privada, com a aplicação da terceirização da merenda escolar na contratação de empresa privada de São Paulo. Também houve a implantação do RECIPREVI, conceito de previdência subordinada à capitalização, que significa uma ameaça à aposentadoria dos servidores públicos. Acabou com os quinquênios dos servidores públicos e aumentou o desconto da alíquota previdenciária. Ademais, perseguiu trabalhador, criminalizou os kombeiros para beneficiar os empresários de transporte coletivo, exonerou (demitiu), em 2007, a dirigente sindical Claudia Ribeiro por denunciar na imprensa nacional uma escola que funcionava num “cabaré” durante a noite em Casa Amarela. Este é o modo petista de governar que Marília Arraes reivindica, mas que na realidade não tocou na raiz dos problemas que fazem com que a nossa cidade tenha o infeliz título da mais desigual do país.

Na busca de votos no 2° turno, Marília tem se juntado e recebido apoio de políticos que representam o que há de pior da burguesia pernambucana. O grande empresário e latifundiário Armando Monteiro Neto, ex-presidente da patronal Confederação Nacional das Indústrias e que esteve com Mendonça Filho do Democratas no 1° turno, declarou apoio a Marília Arraes contra João Campos. Da mesma forma, a candidata do PT já se reuniu com o presidente estadual do Podemos que declarou voto em Marília. O Podemos é o partido da Delegada Patrícia apoiada por Bolsonaro no 1° turno. Por último, no dia 17 de novembro, apareceu uma foto de Marília Arraes e Anderson Ferreira, prefeito reeleitos por Jaboatão, comemorando o apoio dele à candidata do PT em Recife. O vale tudo por votos levou Marília Arraes e o PT a se apoiar na família Ferreira. Os Ferreiras são representante do Bolsonaro com a defesa da militarização das escolas, da LGBTfobia, do racismo como intolerância as religiões de matriz africana e do machismo.

Essas alianças de Marília e do PT com políticos da direita não são uma novidade. Durante os 13 anos que governou o Brasil, o PT também fez todo tipo de acordo com o que há de pior do esgoto da política brasileira. A novidade é que agora o PSOL é vice nessa chapa com o PT. Sabemos que tem muitos lutadores honestos no PSOL, mas pela direção do partido ter a mesma estratégia eleitoral de colaboração de classes e gestão eficiente do capitalismo, o PSOL fica “preso” a essa lógica de se juntar através da candidatura de Marília com políticos patronais. Ainda há tempo do PSOL romper com o PT e Marília Arraes antes que seja tarde e a história cobre seu preço de compor um governo que não vai governar para os trabalhadores.

Portanto, nós do PSTU, não vamos chamar aqueles que votaram em nós e principalmente não vamos chamar a nossa classe a confiar em quem está junto com PSB há anos aplicando essa política de falta de emprego, moradia, saneamento, sucateamento da saúde e educação e desvalorização dos professores. O Recife é a capital da desigualdade, e PT e PSB são responsáveis porque governaram juntos esta cidade por anos.

Por tudo isso, não é possível chamar voto no PT, porque estaremos dizendo que o chicote sobre as costas da classe trabalhadora e do povo pobre mude apenas mão. Nós do PSTU vamos votar nulo para prefeitura no Recife no 2° turno. Governe quem governe, nós seremos oposição a qualquer um deles e estaremos na linha de frente das lutas da classe trabalhadora sempre apresentando nosso programa e saída socialista e revolucionária como forma de libertar a humanidade da decadência e barbárie do capitalismo e seus representantes.

Movimentos de Direita chamam voto nulo nas eleições do Recife: Nem PSB, nem PT

Nenhum comentário


Nota Conjunta dos Movimentos de Direita de Pernambuco 

Recifenses, como membros da coalizão da Direita em Pernambuco, em especial na Cidade do Recife, assinamos e declaramos em uníssono, a opção pelo VOTO NULO no 2º Turno das Eleições para Prefeitura do Recife no próximo dia 29/11/2020. 

Tal postura se deve a firmeza de nossas pautas, tendo em vista que se trata de duelo familiar sem alternância ou mudança, ambos bebem na mesma fonte ideológica que ao longo dos anos vem causando divisão, destruição social e vítimas no mundo todo: o socialismo e o comunismo! 

Uma sequência prática da ideologia marxista, qual prevê a destruição do mundo, dos nossos valores, da nossa família e da propriedade, logo não podemos votar e apoiar uma ideologia que só pensa em destruir. 

Não podemos admitir o voto no PSB, protagonista dos maiores escândalos da história do Governo Estadual e do Municipal em nossa capital RECIFE, pois sua gestão, além de fracassada, recebeu quase 08 (oito) visitas da Polícia Federal, em razão dos arbítrios e crimes cometidos que há alguns anos assola a Cidade do Recife. 

Não podemos em nenhuma hipótese admitir o voto no PT, não só por todo o histórico nefasto que esse partido tem, protagonista dos maiores escândalos da história do Governo Federal, mas também por sua ideologia bater de frente com todos os valores morais do ocidente judaico-cristão, e, não possuir como ponto central os valores da honestidade e probidade com a coisa pública. 

Rechaçamos, pois, todas as duas candidaturas de esquerda postas à nossa querida Cidade do Recife. 

Optando pela abstenção ou voto nulo, como forma de mostrar nossa insatisfação, como forma de não legitimar uma futura gestão que não nos representa! 

É melhor escolher uma única causa, algo grandioso e ousado que dê sentido a sua vida, e se dedicar integralmente a ela com audácia para o resto da sua vida. 

Quem deixará o PT voltar é quem vota nele. Nós, conservadores já fomos eliminados do jogo no primeiro tempo, quando desunidos não agregamos! Eles não nos representam, nossas pautas são inegociáveis, ELES não merecem os nossos votos! E neste momento, respeitaremos a vontade soberana do povo e registraremos nosso voto de protesto. 

Recife: VOTE NULO! “Aqueles que abrem mão da liberdade essencial por um pouco de segurança temporária não merecem nem liberdade nem segurança.”

 — Benjamin Franklin 

Assinam a nota:

*Advogados de Direita de Pernambuco* *Endireita Pernambuco* *Direita Livre Brasil* *Liberta Pernambuco* *Endireita Recife* *Fiscais do Mito* *Comunidade Direita* *Direita Jurídica - Conservadora Nacional* *Movimento Advogados Pró- Bolsonaro Brasil* *Fórum dos Conservadores do Nordeste*

SIMPERE protocola denúncia ao MPE de uso da máquina em prol de João Campos. Na gestão de João Paulo, então PT,apreensão de computadores pela PF revelou convocações para comissionados fazerem campanha na hora do expediente e não deu em nada

Nenhum comentário

26 de nov. de 2020

Na época das denúncias, o PSB ocupava a vice na chapa de João da Costa, candidato apontado pelos investigadores como beneficiário do uso da máquina. Hoje são opositores.


Foi protocolado ontem, na Procuradoria Regional Eleitoral, uma denúncia do sindicato dos professores da rede municipal do Recife, o SIMPERE, apontado suposto uso da máquina pela campanha de João Campos, do PSB, "em relação a uma série de assédios morais e práticas ilegais de membros da gestão municipal pressionando funcionários a votarem no candidato João Campos (PSB)." A denúncia é acompanhada por um vídeo contendo imagens e áudios que comprovariam as denúncias.

A prática não é novidade e se perpetua a cada eleição por causa da impunidade que domina Pernambuco.

Para se ter uma ideia, em 2008, a Justiça Eleitoral chegou a cassar a candidatura de João da Costa, do PT, por práticas semelhantes às agora imputadas à candidatura de João Campos.

Na época, o juiz das investigações judiciais Nilson Nery julgou procedente denúncia de uso da máquina pública feito pelo Ministério Público Eleitoral de Pernambuco, mas a decisão foi revertida no TRE.

João da Costa era apoiado pelo prefeito do Recife, João Paulo, na época um expoente do PT, hoje deputado pelo PC do B e liderava as pesquisas de intenção de voto na capital pernambucana. 

A investigação, segundo o G1, sobre o suposto uso da máquina pública, foi feita pela Polícia Federal e supervisonada pelo Ministério Público Eleitoral e incluiu dez laudos periciais emitidos pela PF, a partir da apreensão e análise de computadores da Secretaria de Educação do Recife.

Nas máquinas, ainda de acordo com o G1, teriam sido encontrados jingles da campanha de João da Costa e convocações feitas a pessoas com cargos comissionados para participação em eventos da campanha do petista em horário de expediente.

Relembre o caso: http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL771060-5601,00-JUSTICA+ELEITORAL+CASSA+CANDIDATURA+DE+JOAO+DA+COSTA+NO+RECIFE.html


Nova Fase da Outline sequestra veículos e imóveis de luxo, além de joias, de investigados por desvios no DER em Pernambuco

Nenhum comentário

25 de nov. de 2020

  


A Polícia Federal deflagrou na data de hoje (25/11/2020) a terceira fase da “Operação Outline”, que decorre de investigação de atuação de organização criminosa que atuava junto ao Departamento de Estradas e Rodagens do Estado de Pernambuco, suspeita desvios de recursos que deveriam ter sido empregados em obras e serviços geridos pelo órgão, a exemplo da Requalificação da BR-101 - trecho do Contorno Viário da Região Metropolitana de Recife/PE. 

O grupo é também investigado pela prática de outros crimes, como corrupção e lavagem de dinheiro. O foco da atual fase é a reposição ao erário público de prejuízos causados pela organização criminosa sob investigação. 


Nesse sentido, estão sendo cumpridos 02 (dois) mandados de busca e apreensão de bens, a exemplo de um veículo GM Trailblazer, avaliado em R$ 190 mil e uma lancha, avaliada em R$ 270 mil. 



Além de veículos, determinou-se o sequestro de apartamentos em Recife/PE e em Gravatá/PE, joias e relógios de alto valor (um deles avaliado em mais de R$ 200 mil), e ainda bloqueio de contas bancárias, tendo como parâmetro um prejuízo estimado em mais de R$ 10 milhões com as atividades do grupo.*

Todas as medidas foram deferidas pela 13ª Vara da Justiça Federal, em Recife/PE. 

As buscas foram realizadas em Recife e em Paulista para apreensão de veículos e embarcação. Os imóveis são sequestrados através de ofícios aos cartórios. 

Os alvos das medidas cumpridas nesta data são ex-servidores do DER/PE, que foram responsáveis pela fiscalização e liberação de recursos da obra da BR 101 e outras entre 2017 e 2019, os quais tiveram acréscimo patrimonial incompatível com os seus rendimentos nos últimos anos. 

De acordo com as evidências coletadas pela PF, apenas um irrisório percentual das movimentações financeiras desses investigados era decorrente de rendimentos lícitos (salários). Noutra linha de investigação, descobriu-se que empresa contratada constantemente para execução de obras e serviços pelo DER/PE (dentre as quais a obra da BR 101) realizou diversas transações simuladas com empresas fantasmas. 

Um empresário representante dessa empresa também foi alvo de medidas de sequestro de bens. Todo o conjunto probatório converge para a prática de crimes como peculato, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas máximas, somadas, chegam a 42 anos de reclusão. Os policiais federais estão efetuando apreensões dos referidos bens, que ficarão à disposição da Justiça Federal.

Operação da PF mira juízes, advogados e empresários suspeitos de corrupção e peculato em MG

Nenhum comentário

24 de nov. de 2020



Do Estado de Minas 

A Polícia Federal cumpre 26 mandados de busca e apreensão em residências, empresas e escritórios de advocacia de cinco cidades mineiras, incluindo Belo Horizonte, e do Espírito Santo.

Batizada de "Iniquidade", a operação combate os crimes de peculato, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Os investigados são juízes, advogados, empresários e um servidor da Justiça, suspeitos de obter vantagens indevidas em processos de falência de duas empresas, que tramitavam na 3ª Vara Cível da Comarca de Sete Lagoas, na Grande BH. Um dos juízes foi aposentado compulsoriamente em decorrência das investigações. 

Segundo a PF, a quadrilha lucrava com a aquisição e o financimento de créditos falimentares - aqueles que surgem após a falência de um empreendimento, destinados à remuneração de trabalhadores, administradores judiciais, entre outras obrigações. 

Conforme as investigações, esses créditos eram aquiridos por valores baixos. Porém, durante dos processos judiciais, acabavam multiplicados, já que os magistrados envolvidos no esquema determinavam o pagamento desses créditos em proporção acima da esperada a um grupo selecionado de credores. Os demais - incluindo a fazendas Federal, Estadual e Municipal - ficavam no prejuízo.

Além dos mandados de busca e apreensão, cumpridos em Sete Lagoas, Teófilo Otoni e Carlos Chagas e nas cidades capixabas de Vila Velha e Pinheiros - a PF também decretou 18 medidas cautelares. As medidas proibem os investigados de fazer contato com os demais suspeitos e sair do país.

Houve ainda bloqueio de dinheiro em contas bancárias e de investimentos, que totalizam cerca de 65 milhões de reais.

DRACCO faz Operação contra falsos leilões virtuais em Pernambuco

Nenhum comentário


A POLÍCIA CIVIL DE PERNAMBUCO desencadeou na manhã desta terça-feira, 24/11/2020, a 64ª Operação de Repressão Qualificada do ano, denominada "ARREMATE", vinculada à Diretoria Integrada Especializada - DIRESP, sob a presidência do Delegado Eronides Meneses Júnior, Titular da Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Cibernéticos – DPCRICI, integrante do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado – DRACCO. A investigação foi iniciada em maio de 2020, com o objetivo de identificar e desarticular integrantes de organização criminosa especializada na prática dos seguintes crimes: Lavagem de dinheiro, estelionato e falsidade ideológica, por meio da criação de sites falsos de leilão virtual de veículos. No dia de hoje, estão sendo cumpridos 14 (quatorze) mandados de busca e apreensão domiciliar expedidos pela 10ª Vara Criminal da Capital. Na execução, estão sendo empregados 75 (setenta e cinco) Policiais Civis, entre Delegados, Agentes e Escrivães. As investigações foram assessoradas pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil de Pernambuco – DINTEL. Os detalhes da referida operação serão divulgados pela Assessoria de Comunicação da Polícia Civil, em momento oportuno. 

Inquérito que investiga propina a FBC e Fernando Filho é prorrogado pelo STF a pedido da PF

Nenhum comentário

23 de nov. de 2020

 



PF investiga se político recebeu propina de empreiteiros entre 2012 e 2014, quando era ministro da Integração Nacional. Deputado Coelho Filho também é citado; pai e filho negam acusações.


Por Fernanda Vivas, TV Globo — Brasília


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso prorrogou, por mais 60 dias, o inquérito da Polícia Federal sobre o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo Jair Bolsonaro no Senado.

A investigação apura se Coelho recebeu propina de empreiteiros em obras no Nordeste entre 2012 e 2014, quando o político era ministro da Integração Nacional do governo Dilma Rousseff. A investigação também envolve o filho do parlamentar, o deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE).

A decisão é da última quinta-feira (19) e atendeu a um pedido feito pela Polícia Federal em outubro. Segundo a PF, a medida é necessária para a realização de diligências pendentes, como o depoimento dos dois parlamentares.

Em parecer ao STF, a Procuradoria-Geral da República concordou com a prorrogação das investigações.

“Diante das circunstâncias ainda não completamente esclarecidas na investigação, necessária sua continuidade com a adoção de novas diligências investigativas com o fim da completa elucidação dos fatos e da obtenção de evidências suficientes acerca da materialidade e da autoria”, disse o MPF.

Operação em 2019

No ano passado, Bezerra Coelho foi alvo de busca e apreensão da operação Desintegração, que apura suposto pagamento de propina de R$ 5,5 milhões a ele e ao filho quando o senador era ministro da Integração do governo Dilma Rousseff.

Um dos casos envolve obras do Canal do Sertão e a transposição do rio São Francisco. Na operação, a PF apreendeu R$ 120 mil na casa do deputado Fernando Bezerra Coelho Filho.

A defesa de Bezerra Coelho e do filho tem negado que eles tenham cometido irregularidades. Na época em que a operação foi deflagrada, em setembro do ano passado, a defesa divulgou nota na qual afirmou que a PF fez um relatório "açodado" e "repleto de ilações".

PF/PE inova e implanta plano de manejo sustentável de resíduos em novo centro de treinamento de tiros

Nenhum comentário



A Polícia Federal em Pernambuco, por iniciativa própria, irá implantar um plano de manejo sustentável em seu novo centro de treinamento de tiro. 

O projeto foi elaborado e entregue nesta segunda feira, 23 de novembro, pela @liquenambiental . O objetivo do estudo é minimizar impactos ambientais que possam ser causados pelo lançamento de resíduos sólidos ao solo durante os treinamentos policiais, já que elementos como chumbo, zinco e cobre podem causar danos ao solo e até a lençóis freáticos. Esta é uma iniciativa inovadora da SR/PF/PF. O material coletado será destinado a cooperativas de catadores desse tipo de resíduo para que seja melhor aproveitado. 


PF faz maior Operação do ano contra lavagem de dinheiro do tráfico. Mandados são cumpridos em Pernambuco e outros 9 Estados

Nenhum comentário
Policiais apreenderam dinheiro e armas com os traficantes




A Polícia Federal e a Receita deflagraram na manhã desta segunda-feira, 23, a Operação Enterprise contra a lavagem de dinheiro do tráfico internacional de cocaína.

Cerca de 670 policiais federais e mais 30 servidores da Receita Federal cumprem 149 mandados de busca e 66 mandados de prisão nos Estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Bahia e Pernambuco. As ordens foram expedidas pela 14ª Vara Federal de Curitiba.

A Justiça também autorizou o bloqueio de aproximadamente R$ 400 milhões em bens do narcotráfico, incluindo aeronaves, imóveis e veículos de luxo. Segundo informou a PF, o montante é o maior do ano em sequestro patrimonial.

Os agentes fizeram ainda uma parceria com a Interpol para localizar oito investigados no exterior e identificar bens mantidos em outros países. Para isso, os nomes suspeitos foram incluídos na lista de difusão vermelha da organização de polícia internacional.

Durante as investigações, que começaram em 2017, foram apreendidas 50 toneladas de cocaína nos portos do Brasil, da Europa e da África. “Tal volume de apreensões situa essa organização criminosa como uma das maiores em atuação no País”, informou a PF.

De acordo com as apurações, a organização criminosa usava ‘laranjas’ e empresas fictícias para lavar bens e ativos multimilionários no Brasil e dar aparência lícita ao lucro do tráfico.

O nome da operação, ‘Enterprise’, faz alusão à dimensão da organização criminosa investigada, que atua como um grande empreendimento internacional na lavagem de dinheiro e exportação de cocaína.

Com informações da Assessoria de Comunicação da PF


PF detectou uso de placas adulteradas e de uso reservado à Polícia, em veículos de uso particular do deputado Junior Uchoa, do PSC, alvo da Operação Mapa da Mina

Nenhum comentário

21 de nov. de 2020

Junior Uchoa (primeiro à esquerda) é do PSC, Partido comandado pela Família Ferreira, em Pernambucano e do Pastor Everaldo, que está preso por corrupção, pela Lava Jato do Rio de Janeiro
 

O Núcleo de Transporte da Polícia Federal em Pernambuco constatou, ao avaliar os veículos apreendidos na posse do deputado estadual Guilherme Uchoa Junior, conhecido como Junior Uchoa, constatou "suspeição das placas reservadas emitidas para os veículos JEEP COMPASS LONGITUDE PCZ5148 e TOYOTA HILUX PEC1417, constando instaladas respectivamente as placas reservadas PGS2746 e PEQ2632." 

Segundo o avaliador da PF, "as placas reservadas do JEEP COMPASS não apresentam código de Barras rastreável, padrão DETRAN, o que indica provável adulteração. Neste sentido, dentre os documentos apreendidos referentes aos veículos, encontramos carteiras possivelmente emitidas pela Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco que tentam legalizar o uso das placas reservadas com fundamento no art. 116 do Código de Transito Brasileiro( Lei 9503/97). Ocorre que esse tipo de Placa, segundo a Polícia Federal, em seu informe, que consta nos autos do pedido de quebra de sigilos de dados e telefônicos dos investigados na Operação Mapa da Mina, são restritas ao uso em "serviço reservado de caráter policial".

O analista da PF aponta que o dispositivo do CTB, "salvo melhor juízo, não os habilita por se tratarem de veículos particulares e por não serem empregados estritamente em serviços reservados policiais." E conclui: "Assim apresento a Informação e indico emissão de Ofício a Corregedoria do DETRAN-PE a fim de elucidar a emissão de placas reservadas regulares para os veículos, bem como solicitação de perícia para análise dos sinais de adulteração."

Com a palavra, a defesa do deputado e a Assembleia Legislativa de Pernambuco.

© Todos os direitos reservados - 2021